13 de ago de 2017

Livraria e Papelaria Lux - 1957

Livraria e Papelaria Lux, em 1957.

A Livraria e Papelaria Lux funcionou na avenida Brasil, no então prédio Waldomiro Cordeiro (não conseguimos precisar o local exato).

Dirigida por Márcia Couto Barreto, a Lux é considerada a primeira do gênero a entrar em operação na cidade, no início da década de 1950.

Na imagem, além da livraria, é possível identificar algumas placas de outros estabelecimentos. Entre elas, vemos a que indica o escritório de advogacia do Dr. Edgar Sponholz. Junto de Tertuliano dos Passos, Sponholz foi incumbido, em 1954, de defender o então prefeito Inocente Villanova Jr. da cassação que lhe fora expedida após irregularidades administrativas serem constatadas pela Câmara Municipal. Depois de diversas manobras jurídicas, os defensores conseguiram o mandato de segurança, garantindo que Villanova encerrasse o primeiro mandato do Executivo de Maringá. 

Fonte: Revista Isto é Maringá, 1957 / Gerência de Patrimônio Histórico / Acervo Maringá Histórica.

Distilaria Brasil Ltda. - 1957


Esta indústria e comércio de bebidas funcionou na então rua Guarani (atual Antônio Octávio Scramim), no hoje "Maringá Velho". O registro é de 1957. 

Dentre outros itens, como aguardentes e vinhos, a Distilaria Brasil produzia e comercializava a batida de amendoim Mulata e a Cocotal. 

Fonte: Revista Isto é Maringá, 1957 / Gerência de Patrimônio Histórico / Acervo Maringá Histórica.

Comercial Catarinense Ltda - 1957

Registro feito em 1957.

A Comercial Catarinense teve início no ano de 1948, em Paiçandu, com uma casa de secos e molhados dirigida pelos irmãos Conrado Andrea e João Mommensohn. O outro irmão, Francisco também fez parte dessa história do pioneirismo comercial da família. 

A vinda para Maringá ocorreu em 1956, quando foi aberto o comércio no varejo e no atacado na avenida Brasil, nº 4917, próximo à praça José Bonifácio. O estabelecimento, chamado Comercial Catarinense Ltda. funcionou como depositário dos produtos Brahma, secos e molhados, além da venda de ferragens em geral. 

O primeiro supermercado aberto pela Catarinense foi em Cascavel, no ano de 1971. Em Maringá, o Supermercado Catarinense foi inaugurado em 1976, no mesmo endereço da Comercial.

Em 1981, Francisco Mommensohn foi homenageado pelo Sivamar como “Comerciante do Ano”. Em 1995, o Grupo Catarinense vendeu seus 68 supermercados, instalados em cidades do Paraná, São Paulo, Mato Grosso e Mato Grosso do Sul para o Supermercados São Francisco, hoje pertencentes ao grupo Cidade-Canção/CSD. 

Fonte: Revista Isto é Maringá, 1957 / Gerência de Patrimônio Histórico / Acervo Maringá Histórica / Livro - Maringá 70 anos - UNICESUMAR. 

Sacada do Grande Hotel Maringá - 1957


Registro do terraço contíguo do salão de festas do Grande Hotel Maringá, em 1957. 

Entre outros vislumbres da cidade em franco desenvolvimento, os hóspedes e convidados dos eventos tinham o privilégio de poder admirar, a partir dessa sacada, a arquitetura da Catedral Nossa Senhora da Glória ainda em madeira. 

Para se ter ideia dos serviços oferecidos por aquele hotel, o qual foi gerenciado pelo alemão Herbert Mayer, destacam-se: todos os aparamentos com banheiros, o que era luxo para a época; cozinha industrial; restaurante; barbearia; bar; salões de bilhar; sala de espera ampla; entre outros serviços de primeira que o categorizaram como "cinco estrelas do sertão paranaense". 

Além de o governador do Paraná, Moysés Lupion, ter inaugurado o empreendimento da Companhia Melhoramentos Norte do Paraná em 1956, comprovando a sua importância para o Norte e Noroeste do estado, naquele mesmo ano a cidade recebeu uma caravana de geógrafos de todo o mundo para o XVIII Congresso Internacional de Geografia, que foi realizado no salões de eventos do hotel. 

Fonte: Revista Isto é Maringá, 1957 / Gerência de Patrimônio Histórico / Acervo Maringá Histórica. 

Avenida Brasil - Década de 1940


Avenida Brasil, possivelmente, no final dos anos 1940. 

Destaque para a movimentação de carroças e veículos pela primeira via comercial da cidade. 

À esquerda e ao fundo aparece a estrutura de propriedade da família Haddad, onde funcionou farmácia, bar e uma casa de secos e molhados (todos os estabelecimentos levavam o nome de São Jorge). No início da década de 1950 a esquina deste prédio foi ocupada pelo Hotel e Restaurante Verdadeiro, de João Verdadeiro.

Anos mais tarde o local viria a ficar popularmente conhecido como "Maringá Velho". 

Fonte: Acervo Maringá Histórica.