22 de ago. de 2020

Pioneiro: Said Felício Ferreira

Com texto de Marco Antonio Deprá:




As duas primeiras imagens mostram ações promovidas com correligionários durante a campanha municipal de 1982, quando Said Ferreira disputou e venceu as eleições para a Prefeitura de Maringá. A terceira foto traz o então prefeito junto do deputado estadual Tadeu França e do deputado federal prof. Renato Bernardi. 

A origem da família de Said Felício Ferreira é síria. Em 1912, seu avô paterno Moisés Ferreira migrou para o Brasil estabelecendo-se em Dois Córregos. Foi nesta cidade do interior paulista que Said Felício Ferreira nasceu em 10 de novembro de 1933, filho de Chiadi Ferreira e Olga Aiub Ferreira.

Em 1957, Said se graduou no curso de Medicina pela Universidade Federal do Paraná e se estabeleceu em Laranjeiras do Sul, no Paraná, onde em 11 de outubro de 1958 se casou com Irma Badotti, com quem teve cinco filhos: Alexandre, Vinícius, Paulo Eduardo, Lígia e Marcos Victor.

Logo em seguida, Said fixou residência em Atalaia, na rica zona cafeeira do Noroeste do Paraná, onde instalou uma Casa de Saúde. Mas seu pensamento estava em Maringá, que era mais promissora.

O sonho de Said se realizou em 30 de abril de 1960, quando se transferiu à nova cidade, onde fundou o Hospital e Maternidade São Marcos em 21 de setembro de 1962, estabelecimento que atuou como diretor. No empreendimento ainda instalou a Escola de Atendente de Enfermagem Carlos Chagas. O hospital cresceu e se consolidou graças ao apoio e ajuda dos médicos que acreditaram na visão de seu gestor. 

Said também foi presidente da Sociedade Médica de Maringá (SMM) durante o biênio 1964-1965. Fundada oficialmente em 15 de dezembro de 1949, a primeira sede própria da SMM só veio 20 anos depois, em 1969, quando a entidade se fixou no 8º andar do Edifício Atalaia, de onde saiu em 1990 para o prédio atual, cuja construção foi iniciada em março de 1985.

O envolvimento de Said Felício Ferreira com a política local começou em 1964, quando foi candidato a vereador pelo Partido Social Democrático (PSD), ocasião em que obteve 205 votos e não se elegeu. Em 1976, foi candidato a prefeito e acabou como o terceiro mais votado. 

Said venceu as eleições de 1982 e 1992 para prefeito. Na primeira, derrotou, pelo PMDB I, os candidatos Horácio Raccanello Filho (PMDB II), Anníbal Bianchini da Rocha (PDS III), Ademar Schiavone (PDS II). Antonio Facci (PDS I), Egídio Assmann (PTB) e Nelson Elias Aiex (PT). Na segunda oportunidade, derrotou, pelo PMDB, os candidatos Odílio Balbinoti (PTB), Joel Geraldo Coimbra (PDT), Miro Falkemback (PFL), Aníbal Sanchez Moura (PT), Marco Antonio A. da Rocha Loures (PL), Walber Sousa Guimarães Júnior (PSDB) e Assendino Alves Santana (PRP).

Suas gestões se deram entre 1º de fevereiro de 1983 a 31 de dezembro de 1988 e 1º de janeiro de 1993 a 31 de dezembro de 1996. Teve como vice-prefeito Noboru Yamamoto, no primeiro mandato, e Mário Massao Hossokawa, no segundo. Com 10 anos de mandato, Said é o prefeito que ficou mais tempo no cargo em Maringá.

Principais conquistas obtidas durante este período, seja utilizando recursos do Município ou em articulação com as lideranças comunitárias e com os governos estadual e federal:

- Construção do novo prédio da CEASA e do trevo de acesso ao local;
- Implantação do Contorno Sul, com 16,5 quilômetros;
- Construção do novo prédio do Fórum e das Juntas de Conciliação e Julgamento da Justiça do Trabalho;
- Instalação da Bolsa de Cereais;
- Construção do Paço Municipal Silvio Magalhães Barros;
- Construção do Teatro Regional Calil Haddad e Museu Histórico, de Arte e Botânica Helénton Borba Cortês;
- Conclusão da urbanização da avenida Colombo, no trecho entre a avenida São Paulo e o cruzamento da BR-376 e PR-317;
- Implantação do Centro de Convivência Comunitária Deputado Renato Celidônio;
- Criação do Parque Alfredo Werner Nyfeller;
- Construção de 20 Postos de Saúde e ambulatórios e o novo prédio da Secretaria Municipal de Saúde;
- Construção de 12 escolas municipais e 10 creches;
- Construção de 2 postos do Corpo de Bombeiros;
- Criação da URBAMAR, que deu início ao Novo Centro, incluindo a construção do túnel Linner, que escoa as águas para o Parque do Ingá. Durante sua gestão executou 85% das obras incluindo a construção do túnel para rebaixamento de linha férrea e viadutos;
- Construção de 1.456 casas populares no Conjunto Requião, Floriano, Iguatemi, contribuindo para a erradicação das moradias precárias na cidade
- Doação de 943 lotes urbanizados no Conjunto Guaiapó e em Floriano e mais 150 terrenos para o Programa de Autoconstrução;
- Construção do Novo Aeroporto Regional de Maringá;
- Iniciou a construção da Nova Rodoviária;
- Pavimentação da segunda pista de contorno do Parque do Ingá, com galerias, calçadas e ciclovia;
- Mudança das lagoas de tratamento de esgoto da zona sul para fora do perímetro urbano;
- Urbanização do Bosque das Grevíleas, na Zona 5;
- Conclusão do novo prédio da Câmara Municipal;
- Construção do Presídio de segurança máxima;
- Pavimentação de 1.587.000 m² de asfalto novo nos bairros e recapeamento e regularização de 600.000 m².

Em 1990, no intervalo dos dois mandatos de prefeito, Said se candidatou ao cargo de deputado federal, elegendo-se para uma das cadeiras da 49ª legislatura, de 1º de fevereiro de 1991 a 31 de janeiro de 1995. Naquela legislatura, além de Said, Maringá também foi representada na Câmara dos Deputados por Antonio Paula de Souza da Bárbara (Antonio Bárbara), do PRN, e Amauri Meneguetti, do PTB, que exerceu o cargo por um curto período (3 a 31 de janeiro de 1995), como suplente. Said ficou no cargo até o final de 1992, quando se candidatou novamente a prefeito de Maringá e venceu facilmente as eleições.

A implantação dos cursos de Medicina e Odontologia na Universidade Estadual de Maringá (UEM) e a do Hospital Universitário são atribuídas ao empenho pessoal de Said. Em 1987, ao constatar a carência de vagas nos cursos de Medicina e Odontologia no Paraná, decidiu consultar o Conselho Universitário da UEM para a criação dos dois cursos. À época, assumiu a responsabilidade, junto com reitor, pela manutenção dos cursos, além do compromisso de construir pavilhões didáticos e a primeira etapa do Hospital Universitário que entrou em funcionamento no dia 20 de janeiro de 1989, e que no início era apenas um Pronto-Socorro. Como deputado federal, Said apresentou emendas ao orçamento da União para o repasse de verbas para o Hospital Universitário e para a Clínica Odontológica da Universidade.

Nas eleições de 1998 voltou a disputar uma cadeira na Câmara dos Deputados pelo PMDB, porém não conseguiu se eleger.

Said disputou a última eleição em 2006, quando foi candidato a deputado estadual pelo Partido Verde. Não se elegeu. Aos 76 anos de idade, ainda se dedicava às atividades no Hospital e Maternidade São Marcos, onde era diretor. Também era empresário e pecuarista.

Faleceu em 4 de julho de 2010 no Hospital São José da Beneficência, em São Paulo, onde estava hospitalizado para um implante de safena. O corpo foi velado e cremado na capital paulista. Um mês depois, a urna com suas cinzas foi depositada no túmulo da família, que fica na galeria dos ex-prefeitos do Cemitério Municipal de Maringá.

Por meio da Lei Estadual nº 17.509, de 28 de fevereiro de 2013, de autoria do Deputado Estadual Dr. Batista, o Hospital Universitário Regional de Maringá foi denominado “Doutor Said Felício Ferreira”. Em 30 de agosto de 2019, por meio da Lei nº 10.490, o Terminal Urbano Intermodal também recebeu a mesma denominação, fazendo com este personagem seja o único a possuir duas homenagens em equipamentos públicos pela cidade. 

Segundo Said Ferreira, “Administrar é uma arte. A arte de compatibilizar números frios do técnico com a música vibrante do trabalho, da poesia, da criatividade e a crítica do cidadão”. O lema de suas duas administrações municipais foi “Administração Comunitário de Maringá”.

Fonte: Gerência de Patrimônio Histórico de Maringá / Contribuição e texto de Marco Antonio Deprá / Contribuição de Veroni Friedrich / Acervo Maringá Histórica. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário