20 de abr de 2010

Pioneiro: Vanor Henriques

Nasceu em Cataguazes, no interior de Minas Gerais. Se mudou com a família para Cambará-PR em 1929. Na cidade, foi comerciante e correspondente do Banco do Brasil. Foi nesse muncípio, que Vanor juntamente do Major Antonio Barbosa Ferraz Júnior, instituiu a primeira Sociedade Agrícola do Norte do Paraná em 1933. Antes de sair de Cambará, Vanor se tornou vereador.

O ano de 1952 ficou marcado pela vinda de Vanor Henriques para Maringá. Na cidade, iniciou a empresa que marcou seu nome no meio industrial: a Serraria São Sebastião, localizada na Avenida das Indústrias. A Serraria chegou a possuir uma colônia de trabalhadores com 32 casas.

Vanor participou em diversos clubes de classe e de serviço de Maringá, dentre alguns deles: Maringá Clube, Clube Hípico e Rotary Clube. Com o apoio dos rotarianos, auxiliou a construção do Lar dos Velinhos.

Serraria São Sebastião

Em 1960, Vanor Henriques por meio da UDN, disputou as eleições para a prefeitura de Maringá. Não logrou êxito. Na oportunidade, João Paulino Vieira Filho foi eleito prefeito de Maringá.

Ao longo da vida conheceu mais de 30 países e é um dos poucos brasileiros que recebeu o título de "Cidadão do Mundo".

A esquerda, Vanor em Nairob, Quênia - 1981

Vanor faleceu em 24 de julho de 1987. Foi casado com dona Itália, com quem teve quatro filhos: Rui, Reinaldo, Romilda e Vanor Filho.

---------

O leitor José Flauzino deu sua contribuição - Em 1957, numa matéria veiculada pela Revista Maringá Ilustrada, falou-se de “Vanor Henriques, homem realização”. Diz o texto ser Vanor modesto, mas grande pela organização, honestidade e visão do futuro e maior ainda pelas qualidades de alma que possuía. Além das atividades já citadas pelo blog, foi comerciante atacadista junto com seu irmão Jopert Henriques. Em Cambará foi agricultor, juiz de paz, sócio-fundador do Cambará Tênis-Club, do Guairacá Club, do Rotary Club e da Santa Casa de Misericórdia (uma das mais perfeitas da época) e onde tem, entre outros diretores-fundadores, o nome imortalizado no bronze. Foi também um dos fundadores do Colégio Nossa Senhora das Graças. Diz a revisa que a Serraria São Sebastião (H Henriques & Filhos Ltda.) “era uma das maiores, senão a maior de todas as serrarias do grande Estado do sul”. Nas 32 casas para operários, servidas por água e eletricidade, tinha 46 funcionários, que formavam com suas famílias um total de 150 pessoas.

Fonte: Acervo Maringá Histórica / Contribuições - Ruy Henriques, Vanor Henriques Filho, José Flauzino.

7 comentários:

  1. Em 1957, numa matéria veiculada pela Revista Maringá Ilustrada, falou-se de “Vanor Henriques, homem realização”. Diz o texto ser Vanor modesto, mas grande pela organização, honestidade e visão do futuro e maior ainda pelas qualidades de alma que possuía. Além das atividades já citadas pelo blog, foi comerciante atacadista junto com seu irmão Jopert Henriques. Em Cambará foi agricultor, juiz de paz, sócio-fundador do Cambará Tênis-Club, do Guairacá Club, do Rotary Club e da Santa Casa de Misericórdia (uma das mais perfeitas da época) e onde tem, entre outros diretores-fundadores, o nome imortalizado no bronze. Foi também um dos fundadores do Colégio Nossa Senhora das Graças.

    Diz a revisa que a Serraria São Sebastião (H Henriques & Filhos Ltda.) “era uma das maiores, senão a maior de todas as serrarias do grande Estado do sul”. Nas 32 casas para operários, servidas por água e eletricidade, tinha 46 funcionários, que formavam com suas famílias um total de 150 pessoas.

    ResponderExcluir
  2. John Massao Shiraishi27/08/2010 10:42

    Um pouco da História: Vanor e Itália D´Andreia
    Lembro com saudade, dos anos 60, quando fomos várias vezes, meu pai MASSAO SHIRAISHI e eu na casa do Seu Vanor e dona Itália. Ficava distante do centro de Maringá, na antiga serraria, que em 1967 já estava desativada. A casa do ex-patrão de papai, o Seu Vanor, era de madeira e pintada de vermelho. Havia algumas casas em pé dos antigos funcionários. Meu pai, foi um ex-funcionário. Conheci o Ruy, Vonorzinho e Dona Romilda se não me engano. O Ser Vanor e o Tio Maninho, certa vez, no meu aniversário de 1969 quis me dar uma espingarda, mas meu pai não deixou. Depois, o tio Maninho, espirita, concordou com ele e resolveram me dar um aeromodelo com cabo de aço, com motor WB diesel da casa Aerobrás.
    Dona Itália fazia um delicioso café ao estilo mineiro. Tinha dons para tratar dos jardins e plantas ornamentais. Na sua estufa, havia orquideas e samambaias de diversas espécies.
    Nos anos 70, eles já estavam morando na Avenioda XV de Novembro.
    Meu nome é John Massao Shiraishil. Pesquisador e escritor de contos. Cascavel-PR.

    ResponderExcluir
  3. Sou Márcia Henriques Augusto, neta de Geraldo Henriques e meu avô é primo de Vanor Henriques. Fiquei muito feliz em encontrar notítias de meus parentas aqui.Minha mãe, Mariza Henriques Augusto,ficou muito emocionada, lembrando do pai dela e das histórias que ele contava da família.Ficamos emocionados em ouví-la contar.Se quiserem entrar em contato comigo,me escreva:mrciaaugusto@yahoo.com.br.
    Londrina, 10 de novembro de 2010.

    ResponderExcluir
  4. Saldaç.... a todos , sou Julio Henriques neto de Garaldo Henriques , e filho de Mariza Henriques ,fui da seleçao Brasileira de Atletismo e moro em Londrina,a historia de meu avo,Geraldo henriques é iguais a de vanor henriques , o mesmo vanor que meu avo falava para minha mae quando criança, bacana ter um possivel parentesco.... carpedien para todos...

    ResponderExcluir
  5. Hoje aqui mostrando para meu filho Bruno o seu Poderoso Biso Vanor.....saudades!!!!! esta linda história tem que ser lembrada sempre!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. EU VANOR HENRIQUES NETO!!

      Excluir
  6. identifique-se...

    ResponderExcluir