10 de jun de 2018

Pioneiro: Sincler Sambatti

Sincler Sambatti durante comício realizado em 1976. À direita aparece sua esposa, Lia Sambatti. 

Junto dos pais, Vitório e Elisa Maria Sambatti, o paulista Sincler Sambatti fixou residência em Maringá no ano de 1949. A família havia tentado se estabelecer na localidade em 1943, quando a cidade ainda era apenas um projeto. 

Ao longo de toda a vida, Sincler Sambatti deixou de morar em Maringá somente por duas oportunidades: para fazer o colegial em São Paulo e a graduação de Engenharia Civil, na Universidade Federal do Paraná (UFPR), onde se formou em 1967.

Logo que se formou, Sambatti foi contratado pela ENORPA (Engenharia e Construções Ltda.). Em 1968 casou-se com Lia Therezinha Sambatti e, um ano depois, assumiu a secretaria Municipal de Obras e Viação durante a gestão do então prefeito Adriano José Valente. 

Segundo a esposa, o cargo de secretário municipal foi o que possibilitou a Sincler Sambatti ingressar na vida pública. Desde jovem envolvido com a política, Sambatti chegou a ser eleito presidente do Diretório Acadêmico de Engenharia da UFPR. 

Como secretário, teve a oportunidade de fazer o curso de Engenharia Municipal em 1970, o qual foi viabilizado pela extinta Superintendência de Desenvolvimento do Sul (SUDESUL). Três anos depois, Sambatti se especializou em Planejamento Econômico e Social e iniciou a carreira de professor na Universidade Estadual de Maringá (UEM). 

O ex-reitor da UEM, Rodolfo Purpur destacou que Sincler Sambatti teve participação decisiva no período inicial de funcionamento da universidade: "(...) Principalmente no período de 1974 a 1976, quando exerceu o cargo de prefeito do campus". Foi a partir dessa atuação que Sambatti foi convidado para integrar a chapa de João Paulino, como vice-prefeito. 

Aquelas eleições municipais de 1976 foram muito disputadas, mas a frente arenista liderada por João Paulino e Sincler Sambatti (Arena 1) venceram o páreo. Foram 18.535 votos contabilizados para os vitoriosos contra 12.025 para a chapa liderada pelo advogado Horácio Raccannello (MDB 1). 

Assim que assumiu o cargo, João Paulino nomeou Sincler Sambatti como assessor de Planejamento e Expansão Econômica. O engenheiro passou a ser responsável pela captação de recursos para viabilizar obras para o sistema viário e a drenagem de fundos de vales de Maringá. O prefeito também o escalou para reorganizar o serviço de água e esgoto da cidade, que estava em situação caótica na época.

Durante a sua permanência como vice-prefeito, até 1982, Sincler Sambatti chegou a assumir o cargo interinamente de prefeito por 12 oportunidades. Ao final do mandato, resolveu estruturar os bastidores para para concorrer como titular em um cargo administrativo. Contudo, um acidente fatal encerrou seus planos em agosto de 1984. 

Em reconhecimento ao papel desempenhado por Sincler Sambatti, o Contorno Sul de Maringá recebeu seu nome. Segundo Lia Sambatti, "Dar seu nome a um projeto viário, setor pelo qual tanto trabalhou durante sua vida, foi reconhecer sua dedicação e competência". 


Fonte: Centro de Documentação Luiz Carlos Masson / Acervo Maringá Histórica. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário