Precariedade do Jardim Alvorada - Anos 1970

1970

Considerada "uma nova cidade dentro de Maringá", o Jardim Alvorada foi lançado em 1962. 

Até então os seus 182 alqueires eram ocupados pela Fazenda Santa Lina, de propriedade de Alexandre e Sophia Rasgulaeff. A área foi adquirida pela Cobal, de Londrina, e, sob o comando de Lucílio de Held, foi loteada. Pela distância e falta de infraestrutura, o bairro teve seus terrenos comercializados a preços populares, fazendo com que a composição inicial de seus habitantes fosse bastante humilde. 

Foi apenas na segunda metade da década de 1970 que o Poder Público passou a dedicar atenção para a região que crescia a passos largos.  Eleito vereador em 1976, pelo MDB, com 1.093 votos, o prof. José Tadeu Bento França fez base eleitoral no Jardim Alvorada. Dado o seu relacionamento com líderes comunitários, era ele quem levava as reinvindicações dessa região para o plenário da Câmara Municipal. 

As imagens ilustram bem a situação a qual o Alvorada se encontrava naquele período. 


Seria com o Projeto Cura (Comunidade Urbana para Recuperação Acelerada) - idealizado pelo Banco Nacional de Habitação (BNH) para dotar bairros precários de diversas cidades com benfeitorias públicas - que a situação do Jardim Alvorada começaria a se modificar. 

Fonte: Acervo prof. Tadeu França / Acervo Maringá Histórica. 

Compartilhe

Inscreva-se

* respeitamos nossos inscritos, não enviamos spam.

Inscreva-se

* respeitamos nossos inscritos, não enviamos spam.

Cookies: nós captamos dados por meio de formulários para melhorar a sua experiência no site. Ao continuar navegando, você concorda com a nossa Política de Privacidade.