3 de mar. de 2019

Curandeiro questionado - 1962

Em outubro de 1962, a Folha do Norte do Paraná trouxe a seguinte manchete "Estrada do Matadouro: curandeiro ludibria a boa fé dos incautos". A matéria questionava a força sobrenatural de Osmar Lima, que se dizia curandeiro. 

Em sua residência, instalada na então estrada do Matadouro (atual avenida Itororó), Lima atuava atendendo pessoas carentes. A maioria originária da Vila Operária. Eis a chamada que veiculou na capa daquele impresso:

"Abusando da ignorância dos humildes, principalmente moradores da Vila Operária, o curandeiro Osmar Lima montou em sua residência (estrada do Matadouro) um 'consultório' de 'passes milagrosos'. O povo sem maiores esclarecimentos procura o 'charlatão' para curar seus males, que o mesmo afirma serem todos de origem espiritual. Instalado em sua sala cheia de quinquilharias e quadros exóticos, Osmar Lima, auxiliado pela sua esposa que também é vidente, vai benzendo os doentes e mandando-os embora, sem indicar nenhum médico ou aconselhar algo de bom. E o povo vai contribuindo para a sua manutenção com contribuições que variam conforme a bolsa do paciência. Se o mal é difícil e o doente volta, então é preciso 'mais dinheiro' porque o 'espírito mau' é muito forte. As contribuições já lhe renderam uma boa casa de material e uma vida folgada. É preciso que as autoridades tomem providências e alertem o povo contra esses falsos curadores".  

Fonte: Folha do Norte do Paraná - 17 de outubro de 1962 / Gerência de Patrimônio Histórico / Acervo Maringá Histórica. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário