5 de jun de 2017

Dias Martins - 1953


Eis a Dias Martins S.A., então localizada na esquina das avenidas Carneiro Leão e Paraná, em registro feito no ano de 1953.

Na época, a atacadista e distribuidora era administrada por Américo Marques Dias que, proveniente de Portugal, chegou à Maringá em 1949. Importante destacar que, antes de a empresa paulista abrir sua filial em Maringá, Odwaldo Bueno Netto já a representava como pequeno distribuidor.

Américo Marques Dias auxiliou, junto de diversos empresários, a formalização da Associação Comercial de Maringá em 12 de abril de 1953, e, por conta de sua experiência na congênere de Votuporanga-SP, Dias foi convidado para assumir a primeira presidência da entidade em Maringá.. Época de um dos períodos mais intensos da Associação Comercial, conforme o próprio Américo Marques Dias destacou:

Quando a cidade se emancipou, uma das primeiras ações do primeiro prefeito foi elevar os impostos municipais, o que acabou gerando grande revolta. A Associação Comercial de Maringá havia acabado de ser fundada. 

Fizemos diversas reuniões no Cine Maringá com os políticos locais. [...]. Nós argumentávamos que o povo não queria deixar de pagar impostos, mas havia uma taxação sobremaneira elevada.

O prefeito alegou que a cidade precisava de dinheiro [...]. Decidimos então que iria se estudar uma saída. [...] Mas nunca fomos chamados para conversar formalmente. [...]. Foi quando entramos com um mandato de segurança e conseguimos que os impostos do ano de 1953 não fossem elevados àqueles valores. [...].

A prefeitura não aceitou, recorreu e o processo foi para decisão na Capital do Estado. Nesse período de espera aconteceu uma coisa muito curiosa. Eu estava na Avenida Brasil, na cabine telefônica - a única que você podia falar para fora de Maringá - quando chegou um empregado meu e disse que o armazém (da Dias Martins) estava cercado por homens da prefeitura. [...] Quando chegamos na Avenida Paraná, onde ficava o armazém, ele estava todo cercado de pessoas com picaretas, machados, todos armados. 

Entramos pelo fundo e mandamos chamar o líder, que me disse: “Nós estamos aqui porque estamos passando fome. O prefeito nos mandou para falar com o presidente da Associação Comercial, que é por causa dela que não tem dinheiro na prefeitura para nosso ordenado”. Eram os funcionários da prefeitura. 

Argumentamos que o presidente da entidade não tinha nada com aquilo. [...]. A função da Associação era a de defender o seu associado.

Fonte: Gerência de Patrimônio Histórico / Livro - A solidez de um legado: Associação Comercial e Empresarial de Maringá (2016) / Acervo Maringá Histórica. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário