30 de abr de 2011

A importância histórica da SANBRA em Maringá

Em 1º de março de 1962, a Sociedade Algodoeira do Nordeste Brasileiro S.A. (SANBRA) foi fundada em Maringá. Foi uma das primeiras indústrias de capital estrangeiro a se instalar na cidade.

A empresa argentina se estabeleceu em uma área de 123.496 m², voltada para a Avenida Colombo a sua entrada principal e ao longo da Rua Monlevada, a indústria foi distribuída, facilitando o escoamento, tanto pela rodovia quanto pela ferrovia.

Funcionou, inicialmente, como um entreposto de compra. Seus produtos básicos era o óleo bruto e o farelo. Depois, os artigos processados passaram a ser algodão, mamona e amendoim. A soja entrou somente no final em 1969.

A SANBRA, por se tratar de uma indústria de grande porte, além de galpões, mantinha dois silos arredondados de grande magnitude na Rua Monlevade. Quando essa primeira cúpula foi construída, a Folha do Norte do Paraná a assemelhou a um grande disco voador. Vale ressaltar ainda, que a sinere/sino de entrada, intervalo e saída dos trabalhadores funcionava como um relógio local para os bairros próximos.


Os grandes silos na Rua Monlevade. Existe um projeto para transformar o espaço no maior museu de agricultura do Brasil: AGROMUNDO.

A SANDRA encerrou as atividades em 1993 e parte de seu poder acionário foi adquirido pela CEVAL Alimentos. Depois, a BUNGE Alimentos se tornou a majoritária. Em maio de 2005, a BUNGUE transferiu as instalações da Zona 10 para a Avenida Melvin Jones, no Parque Industrial Bandeirantes. O espaço que foi ocupado pela SANBRA, entre a Avenida Colombo e a Rua Monlevada, foi adquirido por um empresário local.

Fonte: Pesquisa - A importância histórica da SANBRA em Maringá - Miguel Fernando / Acervo Maringá Histórca.

29 comentários:

  1. fica perto de casa kkk e nao sabia oque era =]

    ResponderExcluir
  2. PLEASE WAIT ...

    ResponderExcluir
  3. Pois é meu amigo.

    A história está mais próxima do que imaginamos.

    ResponderExcluir
  4. No portal de entrada, ainda existe o nome da Sanbra, escondido por de trás do nome da última empresa que funcionou o local. Quando pequeno fui em uma das festas de final de ano que a Sanbra oferecia a seus funcionários, eram ótimas!

    ResponderExcluir
  5. Irineu Jr.
    Olá Miguel
    Que bacana seu trabalho! Tenho muitas saudades da infância de quando viajava com meu pai pra Maringá. Ele trabalhava na Sanbra (inspetoria)se chamava Irineu (já falecido).Conhecia a unidade e também o escritório que ficava no centro.
    Parabéns pela matéria. Um abraço!
    Irineu Jr.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Seu pai era o Sr Irineu Crespo? Trabalhei em Maringa ele era responsavel pela inspetoria interna da empresa. Grande amigo.

      Excluir
  6. Miguel, a SANBRA (fábrica de óleos) foi meu primeiro emprego em Maringá. Era 1984. Lá trabalhei por 3 anos, ali ganhei meu primeiro concurso nacional de contos, com "A VIAGEM".

    Todo dia quando passo por ali certa nostalgia me bate no peito; ver aquilo tudo parado, ruindo aos poucos, e lembrar o que corria lá dentro, a produtividade, a alegria de trabalhar ali, os companheiros de trabalho, dois “Josés” que chefiavam o escritório, José Senorinho e José Frederico Neto, que me acolheram, as festas juninas tão alegres, as cestas de Natal, a safra movimentada, nosso médico, Dr. Severino Porfírio de Deus, um grande homeopata, os amigos motoristas que ali conheci, principalmente o singular e hoje saudoso Laerte, a quem chamávamos “Sete Blusas”,...

    Puxa, lembrar tudo isso até maltrata a gente... mas mesmo assim a vida é bonita, vale a pena. Tempo difícil, mas inesquecível aquele.

    Parabéns pelo carinho com a História em todas as suas formas, Miguel. Ela não se esquecerá de você também. abs

    ResponderExcluir
  7. Quando eu era pequeno ficava me perguntando o por que de SANBRA ser con N e não com M...

    ResponderExcluir
  8. gostaria de saber se ta abandonado ou se tem alguem que cuida de la... que eu queria usar a fotografia de um dos galpões que tem la, mas nao sei se pode usar o espaço

    ResponderExcluir
  9. Sanbra, Ah! que saudade,
    Minha mãe, separada 4 filhos, tinha um "butequinho" de madeira que servia refeições, lanches bem enfrente a Sanbra, e também era nosso lar, eu com 10 anos na época, mais 3 irmãos, eu vendiamos lanches aos caminhoneiros que em filas enormes para minha alegria, aguardavam dias para descarregar suas cargas de Café, algodão e outros, e aos funcionários da fabrica pela cerca de arame! da mesma, buscávamos água com baldes na Sanbra para a nossa sobrevivência, isto há 49 anos atrás, até hoje vivo em SP nunca mais voltei a minha terra ' Maringá" que saudade! Sanbra será sempre a referencia da minha infância!...

    Helena Maria Prezoutto

    ResponderExcluir
  10. Quantos funcionários... equipe de escritório, de serviços braçais...de pátio... com certeza foi uma época maravilhosa,muitos funcionários, chefes de familia. me lembro de passar de bicicleta na travessia da linha férrea qdo ia trabalhar rumo ao centro da cidade.
    sentia aquele cheiro agradável de algodão sendo processado...com certeza esses foram ótimos tempos que deixaram muitas saldades...
    triste é ver todo patrimônio em ruinas... no abandono.
    Hj quando passo próximo, observo a transformação e o progresso aos redores...

    ResponderExcluir
  11. sou de sao paulo e fiquei impressionado com tanto abandono de tantas historias de trabalho e de vidas que se passaram por ali... agora.. resta salientar que a empresa nao é argentina.. veja: Sociedade Algodoeira do Nordeste BRAsileiro....aprendam....obg...

    ResponderExcluir
  12. A respeito do comentário acima, gostaria de dizer que também trabalhei na SANBRA, no Rio de Janeiro e, a mim me parece que o grupo financeiro detentor majoritário era, de fato, argentino, apesar do nome relacionado ao nordeste. Para quem não sabia a SANBRA também tinha uma Unidade de Produção no KM 3 da Rio-São (Via Dutra) para quem vem do RJ. Era a FAGEL - Fábrica de Alimentos Gelados - uma fábrica de sorvete chmada RICO, que encerrou atividades em 1976. Fui encarregado de manutenção na ocasião. A fábrica foi adquirida por outro grupo financeiro fabricante de sorvete e fechada para abrir espaço para colocar seu produto no Rio de Janeiro. Até hoje as instalações também estão abandonadas.
    Sds Sinival Anacleto

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A SANBRA era um grupo Anglo/Argentino tendo como acionistas majoritários os Srs. Bunge e Born. O grupo era formado por inúmeras empresas de grande porte, tais como, Santista Alimentos, Santista Têxtil, Tintas Coral, Sanbra, Vera Cruz Seguradora, Sanrig, Serrana Mineração entre outras. Trabalhei como engenheiro na Sanbra, na unidade de Maringá, onde encontrei pessoas que me ajudaram muito e que me deixaram muitas recordações boas. Infelizmente a economia do País mudou e as empresas tiveram que se adequar ao momento e dessa forma muitas unidades foram vendidas ou desativadas e a planta industrial de Maringá foi uma delas, pois apresentava elevados custos operacionais de produção.

      Excluir
    2. Lembro dos sorvetes Rico e que sumiram mesmo do Rio quando tinha ali meus 14 anos, exatamente 1976.

      Excluir
  13. ola gostaria de saber se alguém tem algum telefone endereço ou uma forma de entrar em contato com os responsável da empresa, preciso solicitar documentação de antigo funcionário.

    grata

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ana, por um acaso vc conseguiu o contato desse responsavel?? pois estou precisando pra documentação tbm.. espero conseguir uma resposta, obgada! Gabriela.

      Excluir
    2. Tente contatar o grupo Bunge que eu acredito que possuam todos os documentos da antiga SANBRA.

      Excluir
    3. Este comentário foi removido pelo autor.

      Excluir
  14. eu passo em frente da Sanbra todos os dias pra ir trabalhr e vejo um lugar grande, tudo abandonado e sempre tive curiosidade em saber a história do lugar, hoje eu pesquisei um pouco sobre o lugar e gostei da história muito interessante de verdade mesmo :)

    ResponderExcluir
  15. essa parada me da medo só de olhar de longe....
    se eu tiver oportunidade de entrar lah dentro, vai ser loko pacas kkkkk

    ResponderExcluir
  16. Sou de campo mourao la tabm tinha a Sanbra mas tbm fechou as portas...
    Agora mora em maringa e vi a sanbra aki abandonada.
    E triste ver historias assim de pessoas que dedicaram sua vida anos na empresa e depois ver assim abandonada...
    A sanbra abandonad parece Shernobyl rsrs

    ResponderExcluir
  17. Todos dias.passo em frente a está granre empresa e de fato me chama muito a atenção em ver uma grande indústria abandonada isso gera em mim uma grande curiosidade da história deste grande indústria q fez parte da História da agricultura a mais de 50 anos atrás isso tem q ser preservado e se tornar um grande Museu agroindustrial do Paraná

    ResponderExcluir
  18. Antes de saber a história, pensava que a SANBRA tinha falido. Agora, tenho a impressão que, muitas vezes, o interesse especulativo não deixa a cidade crescer. O IPTU progressivo deveria desestimular manter áreas imensas sem construção, afastando o interesse social da propriedade. Maringá é uma cidade nas mãos de grandes proprietários, não do povo....

    ResponderExcluir
  19. Já teve Sanbra aqui em Ourinhos-SP que por pressão da população pela fumaça que ela fazia fez com que ela saísse da cidade.

    ResponderExcluir
  20. Já teve Sanbra aqui em Ourinhos-SP que por pressão da população pela fumaça que ela fazia fez com que ela saísse da cidade.

    ResponderExcluir
  21. Me lembro quando era criança,que minha dizia já é 11.hs. como sabe mãe? Ouve o sinal da Sandra dizia ela, Morávamos na Vila sto António,

    ResponderExcluir
  22. Me lembro quando era criança,que minha dizia já é 11.hs. como sabe mãe? Ouve o sinal da Sandra dizia ela, Morávamos na Vila sto António,

    ResponderExcluir
  23. Boa tarde meu nome é Maria Crepaldi procuro por Dona Lourdes e seu Zé Pequeno que moravam no pátio da Sandra em 1991 eu tinha 15 anos e frequentava a casa deles que ficava no pátio da sombra em Maringá Fiquei sabendo que foram para São Joaquim da Barra às perdi contato tenho muitas saudades e gostaria muito de encontrá-los eles tem um casal de filhos Ana Claudia e Carlos já tentei procurar pela internet pelo Facebook mas não consigo achá-los se alguém tiver notícias por favor comunique

    ResponderExcluir