2 de abr de 2011

Avenida Brasil - 1955

O registro da Avenida Brasil, de um ponto diferenciado, em 1955, é do fotógrafo húngaro Tibor Tablonsky.

A imagem foi produzida próximo a atual Rua Silva Jardim. Ao fundo, é possível ver o prédio do Banco Noroeste do Estado de S. Paulo. Imagino que do lado esquerdo, espaço que não é possível visualizar, seja o Posto Santo Antonio. Do lado direito, vemos um Cartório de Registro Civil: Casamentos, Nascimentos e Óbitos.

Fonte: Acervo do IBGE / Acervo Maringá Histórica / Foto - Tibor Tablonsky.

7 comentários:

  1. Mesmo não tendo ainda sido asfaltada, essa camioneta está na contramão da avenida! O ciclista deve ter chamado a atenção da pessoa que a estava dirigindo, com certeza. Mas, ah..., como andei por essa avenida de bicicleta. Na época eu tinha doze anos. Mas, quando chovia..., nossa! O jeito era ficar em casa. A coisa ficava como um sabão. Se insistisse em andar, era tombo de bunda no chão na certa. Mas, se pedirmos prá alguém de fora comparar essa foto com a avenida que hoje temos e com o numero de veículos que nela estaciona diariamente, evidentemente diria que são lugares diferentes.

    Linda foto. Talvez seja a melhor de todas que foram publicadas até hoje por você, Miguel, tal a noção exata que ela dá sobre o crescimento ordenado da cidade com suas amplas avenidas, sem as quais o trânsito hoje em Maringá seria um cáos.

    ResponderExcluir
  2. Miguel, essa foto me intriga. Será que é mesmo de 1955? É sabido que o Tibor Jablonsky esteve em Maringá por duas vezes, em 1955 e em 1960. O problema para mim é esse Fusca. Ele não se parece com os fuscas que eram montados no Brasil nessa época (eles começaram a ser montados em 1953). O Fusca 1955 tinha janela traseira oval e era um pouco diferente desse que parece ser mais moderno. Outra coisa, como um Fusca quase zero veio para aqui na boca do sertão? De quem ele era? Havia poucos fuscas no Brasil nessa época... Será que essa foto não é de 1960?

    Quanto ao fotógrafo algumas informações: segundo ficha funcional encontrada nos arquivos administrativos do IBGE, Jablonsky nasceu em 07/06/1924 em Sarospatak, Hungria, filho de Jozsef Jablonsky e Irene Polnik. Chegou ao Brasil em 27/05/1948, naturalizando-se em
    20/04/1954. Tinha formação de nível superior, como fotógrafo e cinegrafista, exerceu a função de chefe do Laboratório de Fotografia do Departamento de Divulgação Geográfica e Cartográfica da Instituição.

    ResponderExcluir
  3. Obrigado pelas considerações Sérgio.

    Esse site mostra os modelos de fuscas e outros veículos e acaba sendo minha base de referências nas fotos que publico: http://julianodr.sites.uol.com.br/fuscas.html

    Veja que o modelo do fusca 1955 é idêntico ao da imagem.

    O mais interessante é "de quem era esse fusca zero"?

    Sobre o fotógrafo Tibor Jablonsky, ele esteve na verdade em três oportunidades no norte do Paraná: 1955, 1957 e 1960. Inclusive tenho algumas fotos dele de 1957.

    ResponderExcluir
  4. Um esclarecimento: Os primeiros fuscas não traziam as luzes para conversão instaladas sobre os paralamas dianteiros. Isso só surgiu a partir de 1.960/61. Até então eles tinham as tais "bananinhas" laterais instaladas rente ao teto, ao lado da parte superior das portas. Quando acionadas para as conversões, essas bananinhas faziam como os relógios cucos, saiam para fora, mais precisamente no caso dos fuscas (nessa época ainda não tinham esse apelido), por serem dobraveis, elas desdobravam acendendo uma luz para indicar o lado da conversão.

    ResponderExcluir
  5. Ah,,,e tinham na frente, em cima do capo (bagageiro), um enfeite, um tipo de estatueta. Pode ser observado que esse volkswagem da foto não tem lanterna de conversão sobre os paralamas dianteiros. Daí, então que você Miguel, está correto quanto à data da foto.

    ResponderExcluir
  6. Desculpe-me, ...retornei só para dizer que tive um volkswagem desse modelo da foto, ano 1.959 e com bananinhas laterais para conversão. O vidro trazeiro ja era inteiriço. Os anteriores eram divididos em duas partes. Até 1.960 os volkswagem não tinham a primeira marcha sincronizada. Era muito dificil engatá-la com ele em movimento. No finalzinho de 1.960 para 1.961 o Brasil começou a montar os fusquinhas como os conhecemos, até que saiu de linha. O ultimo que foi fabricado já não vinha mais com refrigeração a ar. O Brasil começou a receber muitos fuscas a partir de 1.954. Mas, a historia do seu surgimento data de alguns anos antes. Os motores eram de 1.200 cilindradas, mas debaixo torque, razão pela qual o motor nao tinha muita força. Viu como uma foto dessa é pura cultura e que registra uma história autêntica da cidade? Valeu Miguel.

    ResponderExcluir
  7. Miguel,

    O fusca é ano 1954 ou 1955, janela traseira bi-partida, o carro está todo alterado, não está na sua configuração original. Outro detalhe, as luminárias (nos postes) eram assim em 1957, conforme fotos antigas que tenho.
    Logo, concluo que se for para escolher se foi fotografada em 55 ou 60, arrisco dizer que é em 1955.

    Um abraço

    J C

    ResponderExcluir