10 de dez de 2010

1ª Máquina de Café de Maringá

A Máquina de Café Santo Antônio, construída com madeiras de péroba pela Companhia de Terras Norte do Paraná na década de 1940, provavelmente foi a primeira de Maringá. Em seu livro, Terra Crua, Jorge Ferreira Duque Estrada se tornou proprietário de uma máquina de café ao lado do Posto Villanova (de Inocente Villanova). Acompanhe o trecho na íntegra:

Com Ignácio Morais Teixeira organizei uma compradora de café em coco. Adquirimos a primeira máquina de beneficiar café que aqui se construiu, localizada logo na entrada da cidade, ao lado do Posto Villnova. Foram seus construtores os irmãos Constantino, originários da Rússia.

Na ilustração de Edgar Ostenhoth, vemos o prédio histórico.

O Posto Villanova (e também a Serraria de mesmo nome) ficava próximo do encontro das Avenidas Mauá e Tuiuti. Endossando, assim, que a máquina ressaltada por Duque Estrada, pode ser a Santo Antônio. Infelizmente, a estrutura histórica foi demolida em 2004.

Fonte: Livro: Homenagem ao cinquentenário de Maringá - Edgar Ostenhoth / Acervo Maringá Histórica / Livro: Terra Crua - Jorge Ferreira Duque Estrada.

3 comentários:

  1. Aqui no blog, em maio, se postou uma foto aérea de 1940 onde se vê claramente as confluências da Av. Tuiuti com a Mauá. A serraria está lá. Voltem no tempo duas vezes e comprovem...

    http://maringahistorica.blogspot.com/2010/05/campos-de-aviacao-decada-de-1950.html

    ResponderExcluir
  2. Pois é Flauzino. E a Máquina Santo Antônio aparece neste imagem. Logo ao lado da atual Praça Abilon de Souza Naves.

    Incrível.

    ResponderExcluir
  3. Eu morei por 25 anos, nos fundos da Máquina de Café Santo Antônio, eu a conhecia como a palma de minha mão, cada porta, cada porão, cada escada! Eu e meu Pai (ex-Funcionário da Companhia de Terras Norte do Paraná)fomos os últimos a deixar o local, pouco antes do terreno ser vendido! Eu tentei como pude evitar que ela fosse demolida, mas infelizmente os interesses econômicos eram muito maiores!
    E como grande parte do patrimônio arquitetônico de Maringá, quando o dinheiro fala mais alto, a história fica apenas com as lembranças!

    ResponderExcluir