28 de nov de 2009

A verdade sobre a Praça Napoleão Moreira da Silva

A antiga Praça da Rodoviária, que outrora abrigou um "Bosque de Essências", foi nomeada Praça Napoleão Moreira da Silva em 4 de maio de 1957 através da lei 32/1957. O objetivo era homenagear o baiano que fora eleito um dos primeiros vereadores de Maringá, e que faleceu num desastre aéreo em 1957 no Rio de Janeiro.

No ano de 1960, Américo Dias Ferraz ensaiou a construção de uma fonte luminosa neste local. Prometeu entregá-la em três meses, mas isso nunca ocorreu. Fez parte do projeto audacioso da construção das famosas "Sete Fontes Luminosas de Américo".

Fonte em construção na Praça Napoleão Moreira da Silva. Ao fundo o prédio da Caixa Econômica Federal.

Somente em 1962, ocorreu a inauguração da praça após as obras de urbanização, através da parceria estabelecida entre a CMNP e a Prefeitura.

Fonte: Antonio Marco Deprá / Maringá Histórica / O Jornal de Maringá - Abril de 1960.

Um comentário:

  1. Excelente trabalho.
    Servirá de referência para as próximas gerações, tenho certeza disso. Os trabalhos que vi até hoje, preocuparam-se somente em divulgar a saga de algumas famílias, mas somente as "celebridades" serão lembradas ou aqueles poucos que realmente fizeram a diferença.
    Afinal, com pouco mais de 60 anos, Maringá não possuía "nativos", todos são forasteiros e vieram em busca de uma vida financeiramente melhor.
    Vivi em uma metrópole, estou aqui há quase uma década e sinto falta de um povo que não valoriza no seu dia a dia a sua própria região.
    Talvez exista outra realidade que eu ainda não pude enxergar.
    Abraços

    ResponderExcluir