9 de jun de 2009

Grande Hotel Maringá

Contruido entre os anos de 1952 e 1955, foi planejado para abrigar as personalidades e investidores com maior poder de aquisição.

A arquitetura da estrutura é um caso a parte. Não foi puramente por requinte que a Companhia Melhoramentos projetou o hotel neste formato. Mas sim, pelo fato do Brasil ter transitando pelos ares do Movimento Moderno (Década de 1920-1930. Baseando-se na funcionalidade), momento este que a arquitetura nacional passou a ser reconhecida internacionalmente.

O Grande Hotel Bandeirantes foi projetado pelo arquiteto paulista José Augusto Bellucci a pedido da CMNP. Foi anunciada sua construção em 1947 em uma área central de 6 mil metros quadrados (atual praça Deputado Renato Celidonio, 190). Na estrutura inicial, previu-se o total de 40 unidades habitacionais, sendo ampliáveis para até 80 UH. Conta com tres andares e vários blocos, que são planejados conforme a orientação solar, compondo-se com a ventilação cruzada. Foi edificado todo em alvenaria, buscando os principios que já eram apresentados em construções paulistas da década de 1950, primando a racionalidade.

Interessante ressaltar que o Hotel não atendia somente seus hóspedes e residentes, também era destinado para a sociedade maringaense, que esporádicamente participava de eventos e festas em seu salão.


A recepção imprecionava

Dos nomes que teve, iniciou com Grande Hotel Maringá (uma referencia ao primeiro hotel construído pela CTNP em 1942 chamado Hotel Campestre, o qual foi arrendado pelo Sr. José Inácio da Silva - Zé Maringá), depois passou a Grande Hotel Bandeirantes, findando em Hotel Bandeirantes.

Através de envolvimento academico, o Hotel foi tombado como patrimonio histórico do estado do Paraná em 30 de maio de 2005, sob o número de inscrição de tombo: 156 II e Processo 02/2004.

A fachada do hotel foi utilizada para filmar um vídeo sobre a pujança de Maringá. Produzido na década de 1950 pela Companhia Melhoramentos.

Hoje, segundo informações obtidas com um funcionário que presta serviços de segurança particular no local, a maioria dos móveis de época (preservados até então) foram retirados do local, além disso, o proprietário do imóvel não permite imagens internas. Segundo informações não oficiais, a prefeitura ofereceu R$ 4 milhões pelo imóvel, mas o proprietário pediu na contraproposta R$ 8 milhões.

Fonte: Artigo: HOTEL BANDEIRANTES: MEMÓRIA, HISTÓRIA E ARQUITETURA EMMARINGÁ. Dos autores: Renato Delmonico; Dr. Renato Leão Rego (DAU-UEM)Dra. Sandra C. A. Pelegrini (DHI-UEM). Pesquisado em http://www.plenaarquitetura.com.br/artigos/arquivos/hotel.pdf (9 de junho de 2009 as 08h35) / http://www.patrimoniocultural.pr.gov.br/modules/conteudo/conteudo.php?conteudo=131 (pesquisado em 9 de junho as 08h43). / Departamento de Patrimonoio HIstórico da Secretaria de Cultura de Maringá.

Ps.: Estou sem algumas acentuações no Laptop. Por isso algumas falhas na escrita.

11 comentários:

  1. Miguel, estou procurando contatos do hotel, mas não encontro. Todos os telefones que eu achei na web não funcionam. Uns são particulares; achei um que cai até na UEM.
    Você sabe se eles estão abertos? Eu gostaria de me hospedar nele em Julho.

    ResponderExcluir
  2. O meu amigo Gustavo Gomes, o hotel está fechado desde de 2005, se não me engano. Estou tentando filmar o interior do hotel desde 2007, mas não consigui ainda a liberação.

    Abs.

    ResponderExcluir
  3. Por que o hotel está fechado?

    ResponderExcluir
  4. Estou fazendo um livro sobre Maringá e essa matéria me ajudou muito: precisa, correta, enxuta, perfeita. Parabéns e obrigado.

    Aurélio Schommer

    ResponderExcluir
  5. Será assombrado aquele hotel??????? buáaaaaaaaaa

    ResponderExcluir
  6. QUE PENA TER FECHADO ERA UM HOTEL MUITO BOM ,TRABALHEI LÁ NOS ANOS 80 ERA MENSAGEIRO NA ÉPOCA O GERENTE ERA O SR LOURIVAL A ESPOSA DELA ERA GERENTE DO CORREIO EM MARINGA O DONO NA EPOCA ERA UM SENHOR CHAMADO JACOB, UM HOMEM MUITO RUIM ERA ATEU ELE E DONO DA FABRICA CACHAÇA VELHO BARREIRO TRES FAZENDAS SAUDADES DAQUELE HOTEL ABRAÇO

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. CARO ANTONIO, COMO NO SEU CASO TRABALHEI LÁ DOS ANOS 1968/1970 ERA MENSAGEIRO IGUAL A TI NA ÉPOCA O GERENTE ERA O SR.FILADELFIO LOZADO, E ATUALMENTE ESTOU A PROUCURA DE ANTIGOS EMPREGADOS DO HOTEL, POIS ESTOU ME APOSENTANDO E SEGUNDO O INSS QUE PESQUISEI NAO AS CONTRIBUIçOES NAO FORAM JAMAIS EFETUADAS.
      caso alguem tenha informaçoes
      isac.cardoso55@orange.fr

      Excluir
  7. Oi Miguel, eu sempre consulto o seu blog. É uma boa oportunidade para acessar fotografias. Essa foto com a placa anunciando o futuro hotel é muito bacana. Dá uma dimensão da importância do mesmo para o município. Já que aproveito do seu trabalho, vou compartilhar uma artigo que escrevi sobre o Bandeirantes.

    Não sei se será útil para o seu blog, tem relação com essa questão do hotel ser tombado mas não usufruído, mas vai lá.

    Título e link:
    O Hotel Bandeirantes: quando o tombamento não garante o ideal usufruto
    de um bem cultural

    http://www.cih.uem.br/anais/2013/trabalhos/617_trabalho.pdf

    Abraços!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muito obrigado Profª. Desculpe a demora em respondê-la, mas com o tempo e a quantidade de comentários do blog, ficou praticamente impossível responder a todos.

      Seu artigo será valioso para nós, sem dúvidas.

      Obrigado.

      Excluir
  8. E parabéns pelo trabalho, na escola também fazemos uso das suas imagens.

    ResponderExcluir
  9. no primeiro projeto urbano feito por Macedo este local seria destinado a igreja matriz, e em sua frente onde hoje e o forum seria a estação rodoviaria.(nem um nem outro espaço se concretizou)

    ResponderExcluir