25 de set. de 2020

Autoridades na Folha do Norte do Paraná - Década de 1960

Raro registro feito, possivelmente, em 1967.

Aparecem ao lado das rotativas da Folha do Norte do Paraná, da esquerda para a direita: o jornalista Antônio Augusto de Assis (A.A. de Assis); o então titular do Supremo Tribunal Federal, Nelson Hungria; o empresário do ramo das telecomunicações, Ardinal Ribas. A sede desse impresso ficava na rua Néo Alves Martins próximo da esquina com a avenida Duque de Caxias. 

Naquele ano a Sociedade Telefônica, de propriedade de Ardinal Ribas, foi incorporada pela Telepar (Telecomunicações do Paraná S/A.).

Ribas também compôs o cenário político como figura pujante e crítica. Candidatou-se à Prefeitura de Maringá em 1968, mas foi derrotado pelo advogado Adriano José Valente. Dois anos depois, consagrou-se o terceiro deputado federal mais votado do Paraná, com 48 mil votos. Aquele também foi o momento da maior bancada maringaense composta na Câmara Federal, pois, ao lado de Ribas, estavam Ary de Lima, Túlio Vargas e Silvio Barros.

Apesar de integrar a coligação da Arena (Aliança Renovada Nacional), Ardinal Ribas não compartilhava das opiniões do Regime Civil-Militar. Geralmente, questionava os projetos impostos pelo Governo. Uma das críticas mais polêmicas envolvendo Ribas foi o pedido de abertura de CPI para averiguar os gastos da Seleção Brasileira durante participação na Copa do Mundo de 1970.

Em 1973, devido a um infarto, Ardinal Ribas morreu no final de seu primeiro e último mandato na Câmara Federal. Devido a seus feitos, muitas cidades do Paraná emprestam seu nome para vias e prédios públicos.

Fonte: Acervo Antônio Augusto de Assis / Acervo Maringá Histórica. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário