7 de abr. de 2019

Ponto de táxi no Aeroporto Regional Gastão Vidigal - Década de 1950



Raros registros do ponto de táxi que funcionou no Aeroporto Regional Gastão Vidigal, ao longo da década de 1950.

Na segunda imagem, acenando e com boné, aparece Gabriel Forcelli, um dos taxistas que atuou no local naquele período.

O pioneiro Nelson Camacho dá a sua contribuição:

No final da década de 1940, a Companhia de Terras Norte do Paraná fundou o primeiro aeroporto em Maringá, denominado Gastão Vidigal. No início da década de 1950, o movimento de chegada e saída das primeiras aeronaves já se tornava intenso, motivada pela correria de interessados na compra de terras, cuja colonizadora era a própria Companhia.

Vendo a necessidade de locomoção de passageiros, os irmãos: Gabriel Forcelli e Olímpio Forcelli, meus tios, iniciaram o primeiro ponto de Táxi (carro de praça) nesse aeroporto, integrando o grupo dos fundadores. Usavam-se bonés e eram chamados de chofer de praça (em português).

Em 1966, o Sr. Olímpio Forcelli veio a falecer, deixando a sua esposa e seis filhos, que até hoje residem nessa bela cidade. Em sua homenagem, por reconhecimento do Município de Maringá, seu nome foi dado a uma das ruas do Jardim Itália (Rua Pioneiro Olímpio Forcelli – CEP 87060-662). O seu filho mais velho é o advogado Antonio Justino Forcelli, que apesar de aposentado, continua em plena atividade.

Em 1984 falece o Sr. Gabriel Forcelli, já viúvo, deixando um número grande de filhos, vários ainda residem nessa bela cidade.  O Município de Maringá também lhe prestou homenagem, com uma rua no Jardim Internorte (Rua Pioneiro Gabriel Forcelli, - CEP: 87045-030).

Dois filhos do Sr. Gabriel Forcelli, o Nelson Forcelli e o Luiz Carlos Forcelli, fizeram parte de um grupo pioneiro de pilotos agrícolas de Maringá. O Nelson, após deixar a aviação e como era especializado em mecânica de aviação, tendo inclusive a primeira oficina mecânica nesse aeroporto, dedicou-se de corpo e alma a essa atividade até o seu falecimento em 2015.

Fonte: Contribuição de Nelson Camacho / Acervo Maringá Histórica. 

Um comentário: