26 de jun de 2013

Pioneiro: Ayres Aniceto de Andrade

Ayres Aniceto de Andrade se formou na primeira turma do curso de Direto da recém constituída Universidade Estadual de Maringá, em fevereiro de 1971. Pouco tempo depois, Ayres já estava conhecido em toda a cidade, pois havia assumido, ao lado de outros companheiros, a defesa de Sebastião Pedrosa Lô, acusado de assinar Attílio Farris, ex-gerente do Palace Hotel.

Sebastião assassinou Attílio por crer que o mesmo mesmo havia acusado seu filho, Clodimar Pedrosa Lô, de furto. O menor, levado para averiguação pela Polícia, foi torturado até a morte. O fato ficou conhecido como Caso Lô

Foram três juris populares onde o corpo de defesa obteve êxito na absolvição do réu. A partir daí, os recém formados ganharam notoriedade, inclusive se elegendo para o cargo de vereador, como é o próprio caso do Ayres e de Eli Diniz. 

Fonte: O Jornal de Maringá - Outubro de 1972 / Acervo Maringá Histórica. 

Um comentário:

  1. Na preimeira campanha do professor Ayres de Andrade, a vereador de Maringá, quando ele se elegeu, o conjunto (banda) "Os Tubarões Negros", que fez a parte musical dos comícios do candidato, era formado por: Duílio (19), Solista; Zenaldo Costa (17), baixo e vocal; Edson Trawtlin (17), Baterista; Edmundo (Gim Japonêz) Crooner (hoje vocalista), 16 e Erácleo (16), guitarra base e vocal.
    Os comícios era feitos de cima da carroceria de um caminhão e reunia perto de 80 pessoas, o que era um público muito grande. Nos anos de 1960.
    (Erácleo Alberto Hundzinski - Jornal Metrópole Imprensa do Paraná).

    ResponderExcluir