21 de fev de 2013

Casas Pernambucanas - 1951

Esquina da avenidas Brasil com a Duque de Caxias. Em um dos lados, fundada em 1949, a Casas Pernambucanas com seu anúncio de "loucuras de fim de ano" pintado sobre a própria fachada.

Em 1951, como constatado na foto, a Casas Pernambucanas dividia espaço na mesma estrutura com o Salão Orca. Ao fundo está a residência do então gerente da Companhia Melhoramentos Norte do Paraná, Alfredo Werner Nyffeller.

Fonte: Gerência de Patrimônio Histórico / Acervo Maringá Histórica.

2 comentários:

  1. Caro Miguel,

    As Casas Pernambucas tinham como estratégia mercadológica construir e alugar a terceiros espaços contíguos às suas lojas para atrair público. Como era pioneira em povoações do interior do país, também investia em terrenos comerciais nos centros das cidades, seja para auferir lucros ou para futuras expansões da empresa. Em Maringá, por exemplo, era proprietária no terreno na esquina da Avenida Duque de Caxias com a Rua Santos Dumont, onde hoje é o prédio do Banco do Brasil. Também era proprietária de um terreno ao lado da antiga Rodoviária, onde empreendeu o Edifício Herman Lundgren, em homenagem a Herman Theodor Lundgren, empresário sueco naturalizado brasileiro, fundador daquela empresa.

    Abraços

    Marco Antonio Deprá

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Caro Deprá, você está certo!
      Vale ressaltar que eles proprietários de mais outros dois terrenos: um no "Maringá Velho", não onde abriram sua filial, em outro ponto que ainda não localizei; e próximo ao Posto Malif, na Avenida Brasil, ao lado de onde hoje está a sede do PAM Saúde.
      Um antigo funcionário da empresa, o qual entrevistei recentemente, ainda comentou que na década de 1950, a Casas Pernambucanas tinha interesse de expandir os negócios para outro lado da cidade, abrindo uma filial na Vila Operária. Mas, em função de algumas estratégias abordadas em nível nacional, a ideia foi abortada.

      Excluir