27 de fev de 2012

Caminhão com toras - Década de 1950

A sequência de imagens foi feita pelo fotógrafo húngaro Tibor Jablonsky, em uma de suas viagens que fez ao norte do Paraná, juntamente da equipe do IBGE, no final da década de 1950.

O período de 1942 a 1960 pode ser compreendido como o mais proveitoso para os industriais do ramo das serrarias, visto que no início do desbravamento e respectivo desmatamento, a região da Vila Pinguim ou Macuco, que veio a se constituir na cidade que conhecemos, era abundante em diversas espécies nativas. Para se ter uma ideia de quão promissor foi esse segmento, basta analisarmos que, em 1950, a cidade, então com 38.588 habitantes, chegou a marca de mais de 20 serrarias funcionando simultaneamente.

No início da década de 1940, duas serrarias deram início em suas atividades quase que simultaneamente: no “Maringá Velho”, a empresa da então Companhia de Terras Norte do Paraná; no lado oposto, início da Vila Operária, a Serraria Villanova, de propriedade de Inocente Villanova Júnior.

Após 1947, com o traçado urbanístico da cidade sendo colocado em prática, as serrarias ainda continuaram a ser instaladas fora da região destinada às indústrias, conhecida como Zona 10. Em suma, elas foram constituídas nas proximidades dos perímetros urbanos. Esse foi o caso da Serraria Santos, Balani S.A., de Vitório Balani e Durval Francisco dos Santos; Serraria Brenner, de Agostino Brenner; Serraria São Sebastião, de Vanor Henriques; Serraria Santa Helena; Serraria Camponesa; Serraria Nossa Senhora de Fátima; Serraria Slaviero; Serraria dos Irmãos Toda; Madeireira Philips. A única que se instalou na antiga Avenida das Indústrias, atual Avenida Bento Munhoz da Rocha Neto, foi a Serraria Werneck, de Waldomiro Werneck.

Na década de 1970, as serrarias tiveram um declínio acentuado. Os proprietários das primeiras empresas mudaram de segmento ou findaram suas atividades. Os formatos de trabalho, resultantes do capitalismo, foram modificados e modernizados.

Fontes: Fotos - Tibor Jablonsky / Acervo IBGE / Acervo Maringá Histórica.

Nenhum comentário:

Postar um comentário