31 de ago. de 2011

Saudação ao Ministro da Aeronáutica - 1957

Eis a faixa que foi instalada no Aeroporto Dr. Gastão Vidigal em maio de 1957. Na oportunidade, o Ministro da Aeronáutica, Henrique Fleiuss, e a recém fundada Esquadrilha da Fumaça vieram para abrilhantar as festividades do 10º aniversário de Maringá.

A 10 de maio daquele ano, um dos aviões da FAB se chocou e caiu nas proximidades da Estação Ferroviária de Maringá, causando pânico e desespero nas milhares de pessoas presentes.

Fonte: Museu Bacia do Paraná / Acervo Maringá Histórica.

Personalidades - Grande Hotel Maringá - 1971

A imagem registra uma das passagens do então governado do Paraná, Haroldo Leon Peres, por Maringá.

Na mesa das autoridades está o prefeito de Maringá, Dr. Adriano José Valente, Haroldo Leon Peres (em discurso) e o presidente da Câmara Municipal, Dr. Paulo Vieira de Camargo. Reconheceu os demais? Deixe um comentário.

Haroldo Leon Peres ficou no cargo somente por sete meses. Renunciou sob suspeita de ter solicitado proprina de US$ 1 milhão a Cecílio do Rego Almeida da CR Almeida. Fato até hoje não esclarecido.

Paulo Vieira de Camargo ocupou o cargo de Escrivão do Crime da Comarca de Maringá. Por duas opoprtunidades lançou-se candidato a Deputado Estadual, mas não logrou sucesso. Veio a obter êxito nas eleições municipais, onde ocupou a presidência da Câmara de Vereadores por cinco vezes.

Fonte: Acervo Câmara Municipal de Maringá / Acervo Maringá Histórica.

29 de ago. de 2011

Rodoviária Municipal - Década de 1960

O flagrante registrado pelo Dr. Paulo Jacomini, possivelmente feito do Edifício Três Marias, mostra a Praça Raposo Tavares e a então Rodoviária Municipal de Maringá (nomeada Américo Dias Ferraz em 1983); ao fundo, a Estação Ferroviária; na atual Travessa Guilherme de Almeida, à esquerda, a primeira sede própria do Banco do Brasil e a construção do Edifício Herman Lundgren.

Fonte: Foto - Dr. Paulo Jacomini / Contribuição - Paulo Jacomini Filho / Acervo Maringá Histórica.

Casa Ribeiro - Década de 1950

A imagem, da década de 1950, mostra o encontro da Avenida Brasil com a Avenida Herval.

À esquerda, a Casa Ribeiro dos irmãos Manoel e Francisco Feio Ribeiro.

Fonte: Acervo Família Feio Ribeiro / Acervo Maringá Histórica.

João Paulino Vieira Filho e Moyses Lupion - 1960

João Paulino Vieira Filho, então prefeito de Maringá, encabeçou uma comissão que visitou o governador do estado Moyses Lupion.

A foto, de 19 de junho de 1960, registra os integrantes da comissão ao lado de Lupion, em seu gabinete na cidade de Curitiba. Ao centro, João Paulino e Moyses. Na lateral direita, Luiz Moreira de Carvalho.


Fonte: Arquivo Público do Paraná / Acervo Maringá Histórica.

23 de ago. de 2011

Américo Dias Ferraz e Moyses Lupion

Na imagem, da segunda metade da década de 1950, o então prefeito de Maringá Américo Dias Ferraz cumprimenta o governador do Paraná, Moyses Lupion. O registro foi feito em Curitiba.

Fonte: Arquivo Público do Paraná / Acervo Maringá Histórica.

20 de ago. de 2011

Servicentro Esso São Paulo

A Servicentro Esso São Paulo foi constituída em 1952 por Luiz Nonino, Alfredo Noivo Guerra e Lauro Loureiro de Melo. Estava localizada na Avenida Brasil, 1.658, na Vila Operária.

As instalações primárias da Servicentro Esso São Paulo, em 1952.

Em 1957, a empresa contabilizava duas bombas de combustíveis, que atingiam a venda mensal média de 280 mil litros de combustíveis. Além disso, possuía serviços de Lavagem e Lubrificação, atendendo aproximadamente 40 veículos por dia. Sem levar em conta a venda de peças e acessórios.

A empresa em 1957. Um prédio com conceito arquitetônico moderno.

Fonte: Revista Maringá Ilustrada - Agosto de 1957 / Acervo Maringá Histórica.

Mecânica Irmãos Galli

Primeiro momento da Mecânica Irmãos Galli. Período desconhecido.

A Mecânica Irmãos Galli funcionou na Avenida Carneiro Leão. No início "trabalhavam no meio do mato", depois a "mata sumiu, mas a mecânica continuou".

Segundo momento, década de 1950.

Fonte: Revista Maringá Ilustrada - Agosto de 1957 / Acervo Maringá Histórica.

17 de ago. de 2011

Lançamento da cartilha "Maringá: urbanização e arborização"

Olá amigos e amigas, estendo o convite para participarem da solene de lançamento da cartilha "Maringá: urbanização e arborização". A mesma fará parte da grade curricular dos alunos do 7º ano do Ensino Fundamental.

A publicação trará fatos inusitados e importantes da história da urbanização da cidade, bem como, alguns personagens importantes dessa epopeia.

Mais detalhes? Clique no convite.



Foto do lançamento da Revista, ao lado de representantes do Instituto da Árvore, OAB e vereadores de Maringá.

15 de ago. de 2011

Tipografia e Papelaria Maringá

Instalada na Rua Santos Dumont, próximo da então Praça da Rodoviária (atual Praça Napoleão Moreira da Silva), a Tipografia e Papelaria Maringá foi fundada por João José de Oliveira, em 1949.

Foi com o apoio dessa Tipografia que, em 1950, Avelino Ferreira e sua esposa, Leonor do Lago Ferreira, imprimiram a 1º edição do 1º jornal da cidade: O Jornal de Maringá.

João José de Oliveira, personagem pouco comentado da história maringaense, possui uma história interessante. Paranaense nascido em Jacarezinho, foi casado com Leonilda P. Oliveira. Ele foi combatente da Força Expedicionária Brasileira. Retornou ao Brasil, no final da II Guerra Mundial, em outubro de 1944.

Fonte: Revista Maringá Ilustrada - Agosto de 1957 / Acervo Maringá Histórica.

Inauguração oficial do Ginásio Santa Cruz - 1956

Fundado pelas Irmãs Carmelitas da Caridade em março de 1953, o Ginásio Santa Cruz atuou inicialmente com o Ensino Primário, depois, em 2 de maio de 1956, adquiriu a autorização para implantar o Curso Ginasial.

Como estava instalado no "Maringá Velho", alto da cidade, possuía um ônibus especial para o transporte de seus alunos.

Abaixo, a foto do dia 13 de maio de 1956, momento de sua inauguração oficial. Utilizando-se da palavra, o Professor José Hiran Salée (Ele era, na época, professor do Ginásio Estadual de Maringá. Faleceu em 16/01/2009).

Fonte: Revista Maringá Ilustrada - Agosto de 1957 / Acervo Maringá Histórica.

Quadro de alunos do primário - 1957

Em 1957, Maringá possuía as seguintes escolas com o quadro educacional do Ensino Primário: Grupo Escolares Visconde de Nacar, Dr. Oswaldo Cruz e Castro Alves, Ginásios Santa Cruz e Maringá, além das escolas isoladas e rurais nos perímetros municípais.

Nesse cenário, 6.958 crianças estavam matrículadas no Ensino Primário.

A foto mostra o desfile do Grupo Escolar Visconde de Nacar, durante as festividades do 8º aniversário de Maringá (10/05/1955). Este Grupo Escolar, em união com outra, se tornou a, hoje, Escola Estadual Dr. Gerardo Braga.

Fonte: Revista Maringá Ilustrada - Agosto de 1957 / Acervo Maringá Histórica.

13 de ago. de 2011

Posto Internacional - Praça Rocha Pombo

O primeiro prédio do Posto Internacional.

O Posto Internacional - Mercantil Londrinense de Máquinas e Acessórios Limitada, foi instalado, possivelmente, no final da década de 1940, na Praça Rocha Pombo. O revendedor dos produtos da Gulf (lubrificantes e acessórios), melhorou suas instalações no decênio seguinte.

Depois da ampliação.

Fonte: Revista Maringá Ilustrada - Agosto de 1957 / Acervo Maringá Histórica.

Serraria da Companhia Melhoramentos Norte do Paraná

Uma das primeiras instaladas em Maringá, no início da década de 1940, a Serraria da Companhia Melhoramentos Norte do Paraná funcionou na Avenida Mauá esquina com a Avenida São Paulo (atual Shopping Avenida Center).

Na imagem abaixo vemos a sede da empresa e a colônia de seus operários.

Durante muitos anos esta Serraria foi gerenciada por Álvaro Miranda Fernandes. Poucos sabem, mas Álvaro Fernandes foi o coordenador da campanha política de Inocente Villanova Júnior, que tornou-se o primeiro prefeito da cidade em 1952.

Fonte: Revista Maringá Ilustrada - Agosto de 1957 / Acervo Maringá Histórica.

11 de ago. de 2011

Grêmio Esportivo Maringá. Campeão nacional?

A unificação de títulos organizada pela CBF trouxe à tona uma vitória a nível nacional do Grêmio Esportivo Maringá. Em 1969, o time conquistou o Torneio dos Campeões. A disputa envolveu o Batafogo (campeão da Taça Brasil de 1968), o Santos (campeão do Roberto Gomes Pedrosa de 1968) e o Sport Recife (campeão do Torneio Norte e Nordeste em 1968). O time maringaense entrou no páreo como campeão do Toneio Centro-Sul.

Em 1969, a Confederação Brasileira de Desportos (CBD) determinou que o vencedor to Torneio dos Campeões unificaria os títulos e seria sagrado campeão nacional daquela temporada. O Grêmio Esportivo Maringá venceu o Sport Recife na semifinal e foi para a final com o Santos. Após dois empates (2x2), o Santos desistiu da final. A CBD deu o troféu para o Grêmio, mas nunca houve reconhecimento oficial do time como "campeão dos campeões".

Agora, acompanhe o que a Revista Veja escreveu, em maio de 1969, às vespéras de um dos jogos contra o Santos. A matéria talvez explique o motivo ao qual o Santos teria desistido da disputa (clique nas imagens para ampliar):

Fonte: Revista Veja - Edição 35 - Maio de 1969 / Acervo Maringá Histórica.

8 de ago. de 2011

O último adeus ao Cine Horizonte

Cine Horizonte no final da década de 1960.

Raramente exponho minha opinião, mas, tenho que confessar que hoje fui me despedir do Cine Horizonte ou o que sobrou dele.

Olhei os escombros por alguns minutos e foi difícil não pensar em minha primeira experiência cinematográfica. Foi ali que assisti meu primeiro filme de cinema e que vi muitos outros. Lembro também da Kombi com os alto falantes que cruzavam os bairros distribuindo cortesias e divulgando os filmes em cartaz. Era a grande sensação.

Minhas memórias, de pouco mais de 20 anos, vieram à tona. Imaginem quem conviveu por ali por mais de 50 anos.

É uma grande pena. O cinema tinha (tem) uma história incrível de empreendedorismo e visão de negócio.

Exponho meus pesâmes.

Conheça a história do Cine Horizonte clicando AQUI.

Fonte: Acervo Maringá Histórica.

A história revelada: SANBRA

JustificarA placa que levava o nome da empresa BUNGE, que adquiriu a SANBRA (Sociedade Algodoeira do Nordeste Brasileiro S.A.), está caindo e aos poucos a história começa a ser revelada.

Quer conhecer mais sobre a SANBRA? Clique AQUI.


Fonte: Acervo Maringá Histórica.

7 de ago. de 2011

Série: Vídeos Perdidos - Campo de Pouso / Aeroporto de Maringá



Uma rara película mostrando o Campo de Pouso de Maringá na década de 1950.

Vemos a TAMA (Taxi Aéreo de Maringá) e o avião da Real Aerovias se preparando para decolar.

O cidadão que aparece em frente a um dos aviões da TAMA é Carlos Eduardo Bueno Netto, filho de Odwald Bueno Netto.

O leitor Alex Bueno Netto dá a sua contribuição
- Carlos Eduardo Bueno Netto, mais conhecido entre os pilotos maringaenses como "Carlinhos" era o proprietário da empresa TAMA - Taxi Aéreo Maringá. Aos 19 segundos do vídeo o Carlinhos sai de um de seus aviões e acena. Carlinhos veio a falecer em Curitiba de câncer de próstata em 2008. Empreendedor, Carlinhos presidiu a reunião de fundação da COCAMAR e a estruturou nos seus 3 primeiros anos. Com a TAMA chegou a ter seis aeronaves, entre Bonanzas e Cessna's. Carlos casou-se com Maria da Penha.

Fonte: Acervo Maringá Histórica / Rilton Filmes - Renato Melito

Bancos instalados em Maringá até 1957

Alguns arquivos da Companhia Melhoramentos Norte do Paraná indicam que em 1957, Maringá possuía 19 estabelecimentos bancários. Baseado nesse número, eis a relação que conseguimos levantar perante documentos, fotos e vídeos do Acervo Maringá Histórica:

- Caixa Econômica
Localizado na Rua Santos Dumont em frente à Praça Napoleão Moreira da Silva

-
Banco Comercial do Paraná (BANCIAL)
Foi a primeira instituição financeira a se instalar em Maringá no ano de 1948. Ficava localizado na Avenida Getúlio Vargas, 215, esquina com a Rua Santos Dumont

- Banco do Estado do Paraná
Avenida Brasil esquina com a Avenida Getúlio Vargas

- Banco Brasul

Avenida Getúlio Vargas esquina com a Rua Santos Dumont

- Banco Itaú

Avenida Duque de Caxias esquina com a Rua Santos Dumont

- Banco Nacional de Minas Gerais

Avenida Duque de Caxias quase esquina com a então Rua Bandeirantes, atual Joubert de Carvalho. Depois, foi para a Avenida Getúlio Vargas - Durante muito tempo seu gerente foi Murilo Macedo que foi o 2º presidente da Associação Comercial de Maringá e chegou a se tornar Ministro do Trabalho, na década de 1970.

- Banco Brasileiro de Descontos S/A

Funcionou inicialmente, final da década de 1940, na Rua Santos Dumont. Depois, foi para a Avenida Getúlio Vargas esquina com a então Rua Aquidaban, atual Néo Alves Martins. Em 1953, o gerente geral da agência era Paulo Gonçalves Silva.

- Banco do Brasil

Fundado em 17 de dezembro de 1953. A primeira agência foi instalada na Avenida Duque de Caxias esquina com a Avenida XV de Novembro, no Edifício João Tenório Cavalcante. A sede própria foi inaugurada em 17 de fevereiro 1963, na então Rua Bandeirantes, atual Joubert de Carvalho, do lado da recém inaugurada Rodoviária Municipal.

- Banco Commercial de São Paulo

Avenida Brasil - onde hoje está a MR Malharia

- Banco Mercantil de São Paulo S/A

Avenida Getúlio Vargas esquina com a Avenida Brasil, depois funcionou nesse local ainda A Musical e a Ótica Leonel. Em 1953, o gerente geral da agência era Antonio Fava Barbalto.

- Banco Noroeste do Estado de S. Paulo S.A.
Inaugurado em 1º de junho de 1949, funcionou na Avenida Duque de Caxias esquina com a Avenida Brasil. Ao longo da década de 1950, sua estrutura foi totalmente ampliada. Em 1953, o gerente geral da agência era Jacob Bezerra.

- Banco Sul América
Avenida Getúlio Vargas esquina com a Rua Santos Dumont - Fazia parte do grupo de empresas pertencentes aos acionistas da Companhia Melhoramentos Norte do Paraná. Existe uma referência dele como Banco Brasileiro para a América do Sul S.A. Talvez seja a mesma instituição.

- Banco Mineiro da Produção S/A

Avenida Brasil, após a Praça Raposo Tavares, em frente à Casa Andó.

- Banco Comercial do Estado de S. Paulo S.A.
Em 1953 seu gerente geral era José Leme Jr. Não encontramos referência de sua localização.

- Banco Comércio e Indústria de S. Paulo S.A.
Em 1953 seu gerente geral era Orlando Pedrazolli. Não encontramos referência de sua localização.

Confira um raro vídeo produzido pela Rilton Filmes (Londrina-PR), o qual ilustra a pujança bancária de Maringá na década de 1950:



Fonte: Acervo Maringá Histórica / Acervo Companhia Melhoramentos Norte do Paraná / Rilton Filmes - Renato Melito.

5 de ago. de 2011

Maringá Histórica nas ondas radiofônicas

O "Programa Maringá Histórica: um bate-papo sobre a nossa história" terá neste sábado uma edição super especial. Editamos a entrevista que realizei com o Dr. Adriano José Valente em fevereiro de 2009. Adriano Valente foi o 5º prefeito de Maringá (1969-1972).

Falamos sobre diversos assuntos importantes da história: o primeiro prédio da prefeitura, os embates entre a Companhia Melhoramentos Norte do Paraná e o Poder Público, as vindas de Joubert de Carvalho para a cidade, entre muitos outros assuntos. Vale a pena conferir.

Vale a pena conferir.

Anote na agenda:

Programa Maringá Histórica
RUC FM (94,3) - Aos sábados às 11 horas.

Obs.: Perdeu ou quer conferir alguma entrevista? Confira o Podcast Maringá Histórica na lateral direita do blog.

Rua Jumbo, "Maringá Velho" - Início da década de 1950

Essa, até o momento, talvez seja a foto mais rara que já publicamos no blog.

O registro, feito no início da década de 1950, flagra uma das vias paralelas à Aveida Brasil, a então Rua Jumbo, atual Rua Dr. Lafayette da Costa Tourinho.

As crianças são (esquerda para direita): Rosnei Borges de Oliveira, Sônia Solange de Oliveira e Arnoldo de Oliveira Júnior. Das estruturas de madeira (direita para esquerda): Clínica do 1º dentista formado a chegar em Maringá - Dr. Arnoldo de Oliveira, pai das crianças (bem na lateral da imagem vemos o "De" de "Dentista"; a casa com um cidadão na porta me intrigou muito, apesar de ser a residência de Gregório Capstrano Sepulvida, seria a espécie de Sede do Partido Comunista; o Restaurante da Rodoviária, onde vemos o letreiro "Refeição a 1.500"; a 1º Rodoviária de Maringá, com grande movimentação de ônibus; a Avenida Brasil; por fim, um Bar e Hotel que se transformou no Hotel Catanduva da família Costa Curta. Esse empreendimento era comandado pela Dona Ana e Elvira, que não raro, cessavam as brigas nas redondezas.

O amigo Rosnei Borges de Oliveira dá sua contribuição - "(...) quando criança, meus irmãos e eu, além dos amigos, tínhamos medo da "Casa do Comunista", do Gregório. Na época, falavam que comunistas comiam crianças. Era muita gente que entrava e saia de lá. Muitos comunistas."

Fonte: Acervo Maringá Histórica / Contribuição - Dr. Rosnei Borges de Oliveira.

3 de ago. de 2011

Personagens em frente à Fonte Luminosa

Três personagens posam em frente à famosa Fonte Luminosa da Praça Raposo Tavares.

A pessoa ao centro é Ordemar Marques Lagoa, então funcionário do Auto Vidros Maringá. Os outros dois ainda não identificamos.

Dada a vegetação do local, creio que a imagem seja do início da década de 1960.

Fonte: Contribuição - Luiz Fernando Monteiro (http://sabordahistoriacafe.blogspot.com) / Acervo Maringá Histórica.