22 de jul de 2011

Sanatório Maringá

O Sanatório Maringá foi fundado em 23 de dezembro de 1966 pelo espírito empreendedor de Onofre Pereira de Mendonça, médico proveniente de São Paulo.

O projeto da construção do prédio foi executado nas datas 1, 2, 3, 4, 5, 6 e 11 da quadra 36-A da zona 5, em uma área particular. Com o total de 4.170 m², manteve 528,05 m² de área construída.

Paulo Fernando de Souza Campos relatou em seu livro (Os enfermos da razão: cidade planejada, exclusão e doença mental. Maringá, 1960-1980) que a maioria dos prontuários médicos da década de 1960 e 1970 apontavam que os internos tinham problemas de cunho conjugal e/ou sexual.

Um exemplo é o caso da interna do sexo feminino M. H. L., negra, 25 anos, casada, que foi internada pelo marido em estado de histeria após o nascimento do terceiro filho. As observações do Sanatório Maringá foram as seguintes: “não tolera crianças, não tolera relações sexuais com o marido (...). Na fase, morava com a sogra que lhe aborrecia muito (...)”.

Fachada do Sanatório Maringá, década de 1970.

Importante ressaltar que antes da instalação efetiva da psquiatria em Maringá, os casos especiais, ou detenção da loucura, eram encaminhados à Delegacia Municipal. A força policial prendia ou enviava o detido para outros locais. Paralelo a isso, o Albergue Santa Luzia de Marillac prestou atendimentos aos casos mais extremos.

Simultaneamente ao Sanatório Maringá, instalado no Maringá Velho, funcionou a Casa de Repouso Santo Agostinho, na Vila Operária.

O Santório Maringá ainda está em plena atividade no mesmo local a qual foi fundado.

Fonte: Acervo Maringá Histórica / Livro - Os enfermos da razão: cidade planejada, exclusão e doença mental. Maringá, 1960-1980. Paulo Fernando de Souza Campos.

3 comentários:

  1. O fundador , médico-psiquiatra Dr. Onofre Pereira de Mendonça , fez Medicina pela Universidade do Brasil (atual UFRJ na Praia Vermelha Rio de Janeiro) tendo feito sua especialização na segunda turma da Associação Brasileira de Psiquiatria. O Hospital Psiquiátrico de Maringá, foi inovador no Brasil no tratamento de doenças mentais, ao ser inaugurado com um atelier de Terapia Ocupacional, dada a visão de seu fundador (que trabalhou no Rio com a psiquiatra Nise da Silveira e com o psiquiatra Emilio Mira y Lopes). Acreditava no criar artístico como forma legítima de comunicação e expressão dos pacientes, durante o tratamento integral. O Hospital Psiquiátrico de Maringá ganhou concurso internacional de Administração de Riscos na Saúde, tendo introduzido protocolos os quais foram modelos inclusive para o Ministério da Saúde e é referência em psiquiatria na assistência e ensino, com mais de 600 estagiários/ano de medicina , psicologia, enfermagem,fisioterapia,assistência social. Tomamos conhecimento agora deste livro e estranhamos que se publique no Maringá Histórica, sem nos contactar, um comentário depreciativo, tendo como base um livro tendencioso e inverídico (uma vez que o autor não fez pesquisa no hospital, emitindo sua opinião pessoal), um desfavor aos leitores, estigmatizando ainda mais aos pacientes psiquiátricos .

    ResponderExcluir
  2. Entendo que se alguém nesse caso , diz que não nos procurou para melhores esclarecimentos ...não é um desconhecido é alguém com vínculos ao hospital . Seria de bom tom buscar saber sobre a instituição com os que a fazem , não??

    ResponderExcluir
  3. gostarida de internar um maluco amigo meu, no caso ele se encontra no pedaço, pois ele conheçe u maicão, sendo assim ele é retardado, porque o maicão não existe, vão lá em deem gardenal para ele antes q ele se suicide, o nome dele é Jórgin vendedor de sacolé da avenida colombo vila sesamo 123, espero que vocês o ajudem por obséquio

    ResponderExcluir