30 de nov de 2010

1º aeroporto de Maringá - 1949

Eis a 1ª estrutura em que funcionou o Aeroporto de Maringá. Depois desta, a Companhia Melhoramentos Norte do Paraná contratou o arquiteto José Augusto Belucci para elaborar um novo espaço, ainda em madeira. Anos depois, o já Aeorporto Dr. Gastão Vidigal ganhou um prédio "moderno" para sua época. Local, onde, hoje funciona a Secretaria dos Transportes de Maringá (SETRAN).

Fonte: Museu Bacia do Paraná / Acervo Maringá Histórica.

5º aniversário de Maringá - 1952

O então Diretor Gerente da Companhia Melhoramentos Norte do Paraná, Hermann Moraes Barros, durante o seu discurso.

Provavelmente alunas da Escola Normal. Avenida Brasil esquina com a Avenida Duque de Caxias.

Ciclistas desfilando com suas "máquinas" na Praça da Rodoviária (atual Praça Napoleão Moreira da Silva).

Fonte: Museu Bacia do Paraná / Acervo Maringá Histórica.

29 de nov de 2010

Escola Isolada do "Maringá Velho"

Inicialmente nominada como Casa Escolar, depois, Escola Isolada do "Maringá Velho", foi a primeira a ser constituída na região, "Maringá Velho", que viria a se tornar o município de Maringá.

Fonte: Museu Bacia do Paraná / Acervo Maringá Histórica.

Diment e Thomas, em plena Avenida Brasil - Final da década de 1940

De costas, com os mapas nas mãos, o agrimensor da Companhia Melhoramentos Norte do Paraná, Geoffrey Wilde Diment. Ao seu lado, de terno preto, o então gerente da colonizadora, Arthur Huge Miller Thomas. Ao fundo dos dois, a casa de Alfredo Werner Nyffeler, que estava sendo concluída na Avenida Brasil esquina com a Avenida Duque de Caxias.

Arthur Thomas ocupou o cargo de gerente da Companhia Melhoramentos até 1949, quando pediu afastamento para se aposentar e cuidar de sua saúde. Em janeiro de 1950, Hermann Moraes Barros, filho do primeiro presidente da então Companhia de Terras Norte do Paraná, Antônio Moraes Barros, foi convidado para assumir como Diretor Gerente.

Sobre o Diment, várias histórias pairam sobre este personagem. Eis uma comentada pelo arquiteto Edgar Osterroht: é sabido que o inglês Diment era chegado em uma bebida forte, cachaça. Como ele era responsável por executar o que se estava previsto nos mapas, não raro os traçados ficavam diferentes do que os papéis apontavam. Segundo Edgar, um claro exemplo disso é a Praça Rocha Pombo. Percebe-se, quem segue em direção à Vila operária, que um dos lados da via é menor do que o outro.

Fonte: Gerência de Patrimônio Histórico de Maringá / Acervo Maringá Histórica.

Uma visão panorâmica: Centro do "Maringá Novo" - Década de 1960

A imagem acima, uma das mais emblemáticas do início da década de 1960, mostra diversas estruturas de grande importância para a história de Maringá: Catedral Nossa Senhora da Glória, Grande Hotel Maringá, Edifício João Tenório Cavalcante, Cine Maringá, Rodoviária Municipal, Estação Ferroviária, Estádio Willie Davids, Edifício Maria Tereza, 1º prédio que funcionou a Prefeitura Municipal. Além disso, ainda é possível identificar um Circo do lado direito da imagem.

Ainda podemos identificar as Avenidas de maior movimentação até os dias de hoje: Duque de Caxias, Getúlio Vargas, Herval, Tiradentes e Brasil.

Fonte: Gerência de Patrimônio Histórico de Maringá / Acervo Maringá Histórica.

Marcha da Produção - 1958

No ano de 1956, os cafeeicultores solicitaram um aumento na saca de café, mas o Governo não atendeu os pedidos. Sempre, às vésperas de um problema maior, atendia uma ou outra solicitação, mas não em sua integralidade.

Dois anos mais tarde, duas manifestações populares, uma em Londrina e a outra em Maringá, definiram o dia 18 de outubro para uma "Marcha" até o Rio de Janeiro, a fim de cobrar as reinvindicações. Neste ponto, destaque para os bispos das igrejas destas cidades, Dom Geraldo Fernandes e Dom Jaime Luiz Coelho (foto).

No caminho ao Rio, a caravana do norte do Paraná encontraria as outras frentes, provenientes do Espírito Santo, Minas Gerais e Rio de Janeiro.

Contudo, na saída de Maringá, o movimento foi detido pelo Exército que havia erigido uma barricada na estrada com tambores e soldados armados.

Fonte: Acervo JC Cecílio / Acervo Maringá Histórica.

Avenida Brasil - Década de 1950

Eis a Avenida Brasil nos idos da década de 1950. Na imagem vemos, da esquerda para a direita, a Casa Nickel, Palace Hotel e as ampliações do Banco Noroeste do Estado de S. Paulo (AQUI, o prédio em seu primeiro formato).

Fonte: Museu CESUMAR / Acervo Maringá Histórica.

26 de nov de 2010

Mapa Original de Maringá

Eis o mapa de Maringá elaborado por Jorge de Macedo Vieira. O projeto foi encomendado em 1943 e, sem vir para a região, Jorge finalizou o traçado da cidade em 1945. A Companhia de Terras Norte do Paraná levou aproximadamente dois anos para ajustar as vias da área plana, denominada então como "Maringá Novo".

Fonte: Acervo Marco Antonio Deprá / Acervo Maringá Histórica.

Praça Raposo Tavares - Década de 1960

Vemos no centro da Praça Raposo Tavares a saudosa Fonte Luminosa, já remodelada. Em 1975, ela seria retirada definitivamente do local para dar espaço ao Templo Aberto, inaugurado em 11 de maio daquele ano.

Nas esquinas da Avenida Brasil com a Avenida Getúlio Vargas: Banco do Estado do Paraná e a Ótica Leonel.

Fonte: Museu CESUMAR / Museu Bacia do Paraná / Acervo Maringá Histórica.

25 de nov de 2010

Paróquia Santo Antônio de Pádua

Esta foi a 1ª Paróquia instituída, em 28 de outubro de 1960, após a instalação da Diocese de Maringá.

Inicialmente, a missa era realizada pelo Pe. Osvaldo, da Igreja São José Operário, sob um cruzeiro de madeira em um campo de futebol. Espaço este que viria a se transformar na Igreja. Contudo, muitas vezes, o cruzeiro foi incendiado, pois atrapalha os jogos dos moradores daquela localidade.

Aqui, a instalação da Cruz no topo da torre da Igreja.

Posteriormente, as missas foram transferidas para o saguão do Grupo Escolar (atual Escola Rodrigues Alves).

Em 1969, em plena noite de natal, a Igreja incendiou-se, momento que passou por sua reestrutração.

Fonte: Acervo da Paróquia Santo Antônio de Pádua / Acervo Maringá Histórica.

24 de nov de 2010

Avenida XV de Novembro - 1963

Do lado esquerdo da imagem, a construção do Edifício Maria Tereza. Ao fundo, na Avenida Getúlio Vargas, o primeiro espaço ocupado pela Prefeitura Municipal de Maringá.

Fonte: Arquivo pessoal de José Aparecido Borges / Arquivo Antonio Roberto De Paula / Acervo Maringá Histórica.

Pioneiro: Paulo Vieira de Camargo

Nascido em Itapetininga-SP, a 28 de outubro de 1924, Paulo Vieira de Camargo se mudou com a família para Rolândia-PR no ano de 1938. Se tornou auxiliar de cartório em 1943. Depois, ocupou os cargos de agente e escrivão da Polícia. No ano de 1956, veio para Maringá.

Na cidade, ocupou o cargo de Escrivão do Crime da Comarca. Por duas oportunidades lançou-se candadito a Deputado Estadual, não logrou sucesso. Posteriomente, obteve êxito nas eleições municipais de Maringá, no cargo de vereador. Na Câmara Municipal, foi eleito por cinco vezes o presidente.

Paulo Vieira de Camargo também ocupou a presidência do diretório da Aliança Renovadora Nacional de Maringá.

Paulinho, como ficou conhecido, faleceu em 8 de janeiro de 2010.

Fonte: Revista Maringá Ilustrada - Maio de 1972 / Acervo Maringá Histórica.

23 de nov de 2010

Lançamento do livro "Sala dos Suplícios"

Cerca de 300 pessoas participaram do lançamento do livro "Sala dos Suplícios: o dossiê do caso Clodimar Pedrosa Lô", que aconteceu ontem (22/11/2010) na sede da Associação Comercial e Empresarial de Maringá (ACIM). Entre os participantes, estavam antigos moradores, empresários, historiadores, jornalistas, pesquisadores e interessados em conhecer um pouco mais do caso de maior comoção popular de Maringá.

Quero agradecer aos amigos e leitores deste blog que prestigiaram o evento. É com muita alegria que anuncio que a 1ª edição do livro, em tempo recorde (1 dia), já está se findando. Os exemplares restantes estão à venda no Espaço do Livro, Shopping Maringá Park, ao preço de R$ 20. Ou, se preferirem, podem enviar um e-mail e adquirirem diretamente comigo, pelo mesmo valor.

Até a próxima.

20 de nov de 2010

Estação de Abastecimento de Água - CODEMAR - 1967

Eis a construção da Estação de Abastecimento de Água de Maringá (CODEMAR) em 1967. Do lado direito da imagem, vemos a Avenida Pedro Taques. Mais ao fundo, do mesmo lado, parte da Vila Morangueira e do Jardim Alvorada.

Vale ressaltar que no período, a Vila Morangueira era considerada uma das mais perigosas da cidade. Não raro, assassinatos a facadas ocorriam por "aquelas bandas".

Esta Estação de Abastecimento foi inaugurada em 1969. A administração municipal da época, Adriano José Valente, foi acusada de obrigar a população a utilizar o novo sistema de água encanada, atirando creolina em poços artesianos.

Fonte: Artigo "A história do abastecimento de água em Maringá, Estado do Paraná" - Elza Vendramel e Vera Beatriz Kohler / Acervo Maringá Histórica.

O fim do Bosque de Essências - Final da década de 1950

Provavelmente em 1958, da noite para o dia, o então prefeito Américo Dias Ferraz ordenou que seus homens cortassem o Bosque de Essências existente na então Praça da Rodoviária (atual Praça Napoleão Moreira da Silva).

Na imagem, além dos restos das árvores, vemos ao fundo a fachada da Hermes Macedo S.A. e ao seu lado, o prédio da Prosdócimo.


Fonte: Museu Bacia do Paraná / Acervo Maringá Histórica.

19 de nov de 2010

Avenida Brasil x Avenida Getúlio Vargas - Década de 1940

A imagem, provavelmente do final da década de 1940, mostra a Avenida Brasil (direção a Vila Operária). Ao fundo, do lado esquerdo, a Casa Ribeiro & CIA.

Fonte: Museu Bacia do Paraná / Acervo Maringá Histórica.

18 de nov de 2010

Uma vista aérea de Maringá - Década de 1960

Esta é uma das imagens mais fantásticas já registradas no final da década de 1960. Isto porque, nela, praticamente registrou-se quase todos os pontos mais importantes da área central do dito "Maringá Novo".

São eles: Estádio Municipal; Colégio Gastão Vidigal (Avenida Colombo); Estação Ferroviária, galpões e sua colônia de ferroviários; Estação Rodoviária; Praças Raposo Tavares, Nações Unidas: Baluarte da Paz, Napoleão Moreira da Silva; Catedral; Instituto de Educação de Maringá; Parque do Ingá e dos Pioneiros (Bosque II); na ala superior, do lado esquerdo da imagem, vemos o Cemitério Municipal e sua linha perimetral.

Se analisarem a imagem com cautela, surgiram muitos e muitos outros pontos para serem ressaltados.

Fonte: Museu CESUMAR / Acervo Maringá Histórica.

14 de nov de 2010

Rua General Câmara - Década de 1950

Um close na então Rua General Câmara (atual Rua Basílio Sautchuk).

O maior prédio, esquina da Rua General Câmara com a Rua Santos Dumont, é a Prosdócimo (atual sede da Associação Comercial e Empresarial de Maringá). Em frente, funcionou a Hermes Macedo S.A. (atual Shopping CIC). Além dos numerosos comércios que perpassam "anônimos" pela história. Você sabe algum mais, vamos registrá-lo.

Fonte: Acervo Maringá Histórica.

13 de nov de 2010

Avenida Tamandaré - Década de 1960

Um close na Avenida Tamandaré da década de 1960. Devido a proximidade com a Rodoviária e a Estação Ferroviária, dezenas de hotéis e pensões se instalaram nos arredores: Hotel Santos; Hotel Brasil; Bar, Restaurante e Pensão Ouro Preto; Bar e Hotel Rio Branco. Entre outros.

Fonte: Acervo Maringá Histórica.

Rodolpho Bernardi e CIA

Rodolpho Bernardi e CIA, ao lado do Posto Santo Antônio, de frente para à Avenida Brasil.

Rodolpho Bernardi instalou sua primeira empresa em Maringá em 1946, no "Maringá Velho". Esta possuia o nome de Fábrica de Esquadrilhas e Móveis Maringá. Em 1947, após a abertura "oficial" da venda dos lotes no "Maringá Novo", Rodolpho adquiriu dois terrenos ao lado do Posto Santo Antônio, na Praça José Bonifácio.

No novo espaço, ele instalou uma serralheira especial que produzia janelas e similares, a partir da matéria prima. Em 1953, a fim de ampliar a capacidade do atendimento, Rodolpho aceitou que sócios fizessem parte do seu empreendimento. Com o passar do tempo, a Rodolpho Bernardi e CIA se transformou em um "vendão" de ferragens e ferramentas.

O interior da empresa. Variedade de itens.

A empresa funcionou até 2010. Oficialmente, foram 63 anos de vida.

Fonte: Revista Maringá Ilustrada - Agosto de 1957 / Acervo Maringá Histórica.

Praça José Bonifácio - Década de 1950

Eis a Praça José Bonifácio na década de 1950. Do lado esquerdo da imagem, o complexo eregido por Alfredo Moisés Maluf: Posto Santo Antônio (Posto Maluf), loja de peças, ofinica mecânica e uma revendedora de automóveis, além das casas dos operários. Do lado oposto, a atacadista e importadora Gonçalves da Sé S.A., gerenciada por José da Silva Sé.

É possível ver ainda os traçadados (esquerda para direita) da Avenida Carneiro Leão em direção a então Rua Bandeirantes (atual Rua Joubert de Carvalho), Avenida Brasil, Rua Santos Dumont e mais ao fundo a então Rua Aquidaban (atual Rua Néo Alves Martins).

Fonte: Museu Bacia do Paraná / Acervo Maringá Histórica.

11 de nov de 2010

1º Rodoviária de Maringá - 1953

Esta foi a 1º Rodoviária de Maringá. Funcionou no Maringá Velho, Avenida Brasil esquina com a então Rua Jumbo (atual Rua Dr. Lafaeytte Tourinho). Ao seu lado, ficava o 1º hotel de Maringá, o Hotel Campestre, que ficou conhecido como Hotel Maringá.

Fonte: Acervo JC Cecílio / Acervo Maringá Histórica.

Bárbara e Silvio Barros - 1975

O evento foi o aniversário de Maringá, 10 de maio de 1975. No palanque, além da Dona Bárbara Barros e seu marido, o então prefeito municipal, Silvio Barros, vemos ao fundo do lado esquerdo, Walber Guimarães.

Fonte: Acervo Bárbara Barros / Acervo Maringá Histórica.

10 de nov de 2010

Discurso de Hermann Moraes Barros - 1952

Durante a posse dos vereadores e prefeito eleito em 1952, ocorrida na Agência Chevrolet na Avenida Paraná, o diretor da Companhia Melhoramentos Norte do Paraná, Hermann Moraes Barros, fez seu pronunciamento.

Na imagem ainda é possível identificar Ângelo Planas e Ivens Lagoano Pacheco.


Fonte: Museu CESUMAR / Acervo Maringá Histórica.

5 de nov de 2010

Lançamento do Livro "Sala dos Suplícios"

O lançamento do livro "Sala dos Suplícios: o dossiê do caso Clodimar Pedrosa Lô" ocorrerá no dia 22 de novembro, às 19 horas, na sede da ACIM.

Você é meu convidado especial. Compareça!

O livro contou com o patrocínio das seguintes empresas: ACIM, CESUMAR, Crivialli do Brasil, Moinho Vermelho Buffet, Sistema Prever, Silo da Moda e Toni Segurança. Além do apoio da Sol Propaganda e CBN Maringá.

4 de nov de 2010

Pioneiro: Geoffrey Wilde Diment

O inglês Geoffrey Wilde Diment aportou em terras maringaenses na década de 1940. Com a função de agrimensor da Companhia de Terras Norte do Paraná, foi o responsável pela execução do traçado da cidade elaborado por Jorge de Macedo Vieira em 1945.

Ele foi o estopim de um dos vários casos pitorescos que já ouvi. O Cine Maringá, na Avenida Brasil em frente a Praça da Rodoviária - atual Praça Napoleão Moreira da Silva, estava em construção. Nesta época, seu proprietário, Odwaldo Bueno Netto pediu por uma reclusão temporária, em um hospital psiquiátrico do interior paulista. Sua família ficou à frente dos negócios. Winifred Ethel Bueno Netto, sua esposa, soube que os construtores entraram em greve, pois estavam receosos de que não receberíam, visto que Odwaldo estava fora da cidade. Winifred pegou uma arma com Diment, uma das poucas pessoas com quem conversava, visto que ela só falava em inglês. E mesmo sem falar uma palavra em português, convenceu os funcionários a voltarem ao trabalho. A arma acabou falando por si só.

Geoffrey Wilde Diment faleceu em 12 de março de 1966 e foi enterrado no Cemitério Municipal de Maringá.


Fonte: Museu CESUMAR / Gerência de Patrimônio Histórico de Maringá / Acervo Maringá Histórica.

2 de nov de 2010

Avenida Tiradentes - Década de 1950

O evento, provavelmente registrado na década de 1950, mostra os alunos e a banda do Ginásio Maringá (prédio que está ao lado esquerda da foto, atual Colégio Marista). Mais abaixo, algumas pessoas soltam rojões.

Ao fundo da imagem, uma rara imagem de profundidade da Avenida Tiradentes (vista para a atual Praça Manoel Ribas).

Fonte: Museu CESUMAR / Acervo Maringá Histórica.

Avenida Brasil x Avenida Duque de Caxias - 1954

Nesta imagem, provavelmente feita do alto do Bar Central (Avenida Brasil), podemos ver: o Palace Hotel, a construção do novo prédio do Banco Noroeste do Estado de S. Paulo S.A., Bazar King, Foto Maringá e o Bar Panema.

---

O leitor Dirceu Batista de Souza
dá sua contribuição - Miguel, o prédio do Bar Panema juntamente com os que ficavam a sua direita foram demolidos para fazer o estacionamento do banco na década de 80, o predio do pastelão funcionou por muito tempo a Rainha Refrigeação propriedade do Sr Mario Rainha ( já falecido) e depois a lanchonete o Peixão. Eu digo isto por que fui engraxate por muito tempo em frente ao Bar Panema e também trabalhei na lanchonete.

Fonte: Gerência dePatrimônio Histórico de Maringá / Acervo Maringá Histórica.