28 de ago de 2009

Pioneiro: Heitor Bolela


De passeio pelo interior do Paraná, Heitor Bolela, conheceu a cidade de Maringá. Nessa passagem, como já atuava há dez anos no ramo de gráficas no interior paulista, foi conhecer as gráficas existentes na época em Maringá (início da década de 1950). Chegou na Gráfica Bandeirantes e viu máquinas completamente desreguladas. Pediu ao então proprietário, Valdomiro Cordeiro da Silva, para regulá-las. Valdomiro aprovou o rápido serviço prestado e convidou Heitor para ser gerente. Assim em 1954, vindo de Franca-SP, Heitor mudou-se para Maringá.

Em 1954 existiam somente três gráficas na cidade e nenhuma delas trabalhava com a impressão em cores. Como Heitor já tinha a técnica, implantou o novo sistema. Em 1956 a empresa foi vendida para outro proprietário e Heitor foi mantido no comando. O ano de 1959 foi o que a Gráfica Bandeirantes se tornou propriedade de Heitor Bolela.


Heitor se lembra que como não existia energia elétrica, as máquinas funcionavam através de um gerador. No entanto ressaltou que a maior dificuldade era encontrar pessoal especializado. A maioria acabou se especializando dentro da empresa de Bolela. Anos depois, seis de seus funcionários, montaram suas próprias gráficas em Maringá.

Da família, Heitor e sua esposa (Ilda Mendes Bolela - que integrava o grupo São José - falecida em 13/07/2009), tiveram três filhos: duas mulheres e um homem, que praticamente foram criados dentro da empresa, pois a casa deles ficava atrás da Gráfica.

Heitor Bolela Júnior, trabalha na gráfica desde os 13 anos de idade. Em 1983 assumiu a administração da empresa, quando Heitor pai, se aposentou. Bolela Júnior ocupou por duas gestões a cadeira da presidência do SIVAMAR (2001-2003 / 2003-2005).

Fonte: Revista ACIM - Março de 1991 - Ano 28 - N.º 308.

Nenhum comentário:

Postar um comentário